Edição nº2606 06/12 Ver edições anteriores

Lula merece o Nobel da Paz

Preso há mais de 300 dias, após um processo contestado por juristas do Brasil e do mundo que teve como consequência prática a definição do resultado eleitoral no Brasil, o ex-presidente Lula foi privado de um direito que não é negado nas democracias modernas nem aos mais perigosos assassinos: o de velar e enterrar um parente próximo. A operação montada para isso, que envolveu as figuras de sempre do Poder Judiciário, evidenciou aos olhos do mundo a real condição de Lula: a de um preso político, que não pode aparecer, falar ou ser fotografado. Se fosse possível, Lula já teria sido assassinado e exposto em praça pública, tal qual Tiradentes. Mas como vivemos num mundo supostamente civilizado, a ordem é eliminar qualquer vestígio de sua existência, na vã expectativa de que a memória do povo brasileiro seja também apagada.

Alvo de uma perseguição comparável apenas àquelas que foram movidas contra grandes personagens da história, como o capitão Dreyfus, na França, Mahatma Gandhi, na Índia, Nelson Mandela, na África do Sul, e Pepe Mujica, no Uruguai, Lula tem respondido a todas as agressões que partem dessas nossas “instituições que funcionam” com absoluta serenidade. Sem ódio, mas sem nunca perder a dignidade, como demonstrou neste episódio mais recente, em que a proposta oferecida pelo ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal, consistia em levar o caixão de seu irmão Vavá a uma base militar. Ali Lula poderia encontrar os parentes numa condição segura para o sistema — ou seja, sem imagens e registros de sua voz. Não, o povo brasileiro não pode saber que Lula está vivo. Esta é a mensagem.

Mas por que tanto medo? Lula está sendo silenciado porque representa a lembrança de um tempo em que o Brasil era respeitado no mundo e os brasileiros sentiam-se confiantes e felizes. É também silenciado pelo gigantesco contraste entre sua figura de luz e o aspecto soturno do bolsonarismo — um regime que exalta a morte, é acusado de ligações com milícias e propõe como saída para a insegurança pública que cada brasileiro tenha quatro armas de fogo. Se não bastasse, temos também um ministro que nega a educação superior como direito fundamental e uma ministra suspeita de sequestrar crianças indígenas. Mas é Lula, no entanto, quem está sequestrado.

O medo, porém, é desnecessário. Lula tem demonstrado, na prisão, que sua verdadeira revolução é a resistência pacífica, que o torna vencedor mesmo nos momentos de aparente derrota. Quando violentam as leis e agridem os direitos mais elementares de um cidadão — justamente aquele que é tido como o melhor presidente da história do Brasil —, seus agressores apenas revelam ao mundo suas fraquezas, seu pânico e tornam Lula ainda mais forte — o que torna o Nobel da Paz quase inevitável. O que farão seus carrascos?

O veto judicial à presença no enterro de um irmão expôs ao mundo a sua real condição: a de preso político

Tópicos

Leonardo Attuch

Mais posts

Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.