Ediçao Da Semana

Nº 2742 - 12/08/22 Leia mais

img4.jpg
REINADO FEMININO
As cantoras Claudia Leitte, Ivete Sangalo e Daniela Mercury saíram de bandas famosas e hoje formam a tríade de divas do axé. Elas extrapolaram o gênero e são consideradas estrelas pop

Atualmente, em Salvador, quando surge um empreendimento novo num bairro nobre da cidade cujo dono ninguém conhece, a primeira ideia que ocorre às pessoas da vizinhança é que o proprietário seja “algum artista da axé music”. Isso não acontece por acaso. Afinal, desde a explosão desse gênero musical no Carnaval de Salvador em 1985 os artistas baianos se profissionalizaram, criaram bem- sucedidas produtoras e constituem hoje um dos nichos empresariais que mais faturam no Estado. Apenas nas festas de momo a cidade movimenta cerca de R$ 1,2 bilhão, segundo a Empresa de Turismo de Salvador (Emtursa) – isso envolve 230 grupos carnavalescos, entre trios e blocos, e cerca de 11 mil artistas. E o negócio não se restringe mais ao período carnavalesco. As micaretas (folia fora de época) se espalharam por diversas capitais do Brasil e mantêm a lucrativa festa com repertório para durar o ano todo. É curioso que um dos estilos que mais colecionaram detratores termine por ser um dos únicos, depois do rock e do romantismo de Roberto Carlos, a reunir multidões em estádios de futebol. Ivete Sangalo, por exemplo, cujo DVD gravado no show no Maracanã já ultrapassou a casa das 800 mil cópias, conseguiu atrair recentemente 55 mil pessoas no Festival de Verão de Salvador. Como as grandes estrelas do gênero, ela é tratada atualmente como uma cantora pop – mas o axé está no sangue. Mesmo essa distinção já não faz mais sentido. A crítica ao ritmo, de resto bem antiga, se dava muito pelo fato de a música visar apenas à diversão. Mas ele também possui raízes políticas, como explica o professor Milton Moura, da Universidade Federal da Bahia:

img.jpg
FOLIA
O Carnaval de Salvador movimenta R$ 1,2 bilhão e mobiliza cerca de 11 mil artistas

“A ascensão do carlismo (referência à administração de Antônio Carlos Magalhães) esteve muito identificada com a euforia do axé. O estilo deu respaldo ao governo de ACM e vice-versa.” Musicalmente, no entanto, o axé tem origem numa rica fusão de ritmos como o forró, o frevo pernambucano, o rock dos anos 1980 e a música afrobaiana e caribenha. Ou como definiu a cantora Margareth Menezes, uma das pioneiras do estilo: o axé é um “afropopbrasileiro”. Dessa grande diversidade sonora nasceria, em um primeiro momento, um novo “balanço”: o samba reggae de Neguinho do Samba e o seu grupo Olodum, que inspirou artistas internacionais como Paul Simon, que veio conferir in loco a sua percussão rítmica. Desse caldeirão de influências surgia o repertório anual do verão, com hits incendiários acompanhados de coreografia para embalar os foliões que seguiam os trios elétricos. Do alto de sua experiência, Ivete faz uma análise equilibrada: “Do ponto de vista musical, o axé é essencialmente um ritmo para o entretenimento. Promove encontros, festa, diversão. Do ponto de vista cultural, é de uma autoestima invejável. Tudo é retratado de forma feliz e ufanista, mantendo acesos os costumes da Bahia.” E também a sua usina de criação. Dona de uma agenda de dez shows por mês com cachê estimado em R$ 400 mil, Ivete está à frente de uma produtora campeã, a Caco de Telha, hoje uma holding que abriga diversos artistas. Projetada como vocalista da Banda Eva em meados dos anos 1990, ela atualmente tem um repertório bem afinado com o pop internacional – tanto é assim que abre o show da diva Beyoncé em Salvador no dia 10 de fevereiro. “Faço música. Não me ato em nós de conceitos ou prateleiras”, diz Ivete. Livrar-se desse rótulo a que ela se refere não é fácil. Que sirva de exemplo a colega Daniela Mercury, cujo título de rainha do axé não se descolou dela desde a década de 1990, quando lançou o hit “O Canto da Cidade”.

img2.jpg

Hoje, a cantora, que se alterna  entre Salvador, São Paulo, Londres e Paris, mantém uma agitada carreira internacional– em março ela inicia a turnê europeia de lançamento de seu CD “Canibália”. Daniela reconhece que o axé está mais vivo do que nunca: “É verão, positivo, vibrante. E foi uma escola de sobrevivência dentro da música brasileira.” Sobrevivência que se traduz numa crescente profissionalização dos artistas baianos. À frente da produtora Ciel, administrada por Claudio Inácio e por seu marido, Marcio Pedreira, a cantora Claudia Leitte, surgida na banda Babado Novo, na década passada, ilustra outro momento importante dessa indústria que se mantém em pé em plena crise fonográfica. A cantora não faz um show por menos de R$ 350 mil. São 14 apresentações por mês e 168 por ano, com um público que varia de 20 mil a 45 mil pessoas. Claudia reconhece a vinculação do ritmo ao Carnaval da Bahia e lembra o impacto da música “Fricote”, considerada uma das precursoras do estilo, lançada por Luiz Caldas em 1985. Tinha na época cinco anos de idade. “É música que não envelhece e não deixa ninguém parado”, diz ela. A outra qualidade do axé é evoluir e se transformar. Milton Moura assinala que as primeiras canções funcionavam como celebração de uma identidade cultural e que, com o tempo, o estilo foi se reconfigurando até incorporar um apelo internacional maior. Novas bandas não param de surgir com seus hits e coreografias, exatamente como fez Luiz Caldas há 25 anos. Para esse Carnaval, o grupo Parangolé, que tem forte influência do pagode baiano, já emplacou a sua música de trabalho: “Rebolation”. Ela vem acompanhada de uma dancinha sensual que já promete ser a coreografia do momento. Com esse nome, até gringo entende.

img3.jpg

caldassite.jpg

Clipe da música "Tieta", com Luiz Caldas

dancadobbsite.jpg

Clipe da música "Dança do Bumbum", com o grupo É o Tchan

tchansite02.jpg

Clipe da música "Tribotchan", com o grupo É o Tchan

ivetesite01.jpg

Clipe da música "Levantou Poeira", com Ivete Sangalo

ivetesite02.jpg

Clipe da música "Carro Velho", com Ivete Sangalo

chiclete02site.jpg

Clipe da música "Voa Voa", com o grupo Chiclete com Banana

chicletesite01.jpg

Clipe da música "Selva Branca", com o grupo Chiclete com Banana

asa01site.jpg

Clipe da música "Dança do Vampiro", com o grupo Asa de Águia

asa02site.jpg

Clipe da música "Quebra Aê", com o grupo Asa de Águia

daniela01site.jpg

Clipe da música "Swing da cor", com Daniela Mercury

danielasite02.jpg

Clipe da música "O canto dessa cidade", com Daniela Mercury

babadonovosite.jpg

Clipe da música "Bola de Sabão", com o grupo Babado Novo