Coronavírus

Berço da Covid-19, Wuhan deixa o vírus para trás

Berço da Covid-19, Wuhan deixa o vírus para trás

Um homem se prepara para nadar no rio Yangtze em Wuhan, na província de Hubei, na China, em 28 de setembro de 2020 - AFP

Wuhan, a cidade chinesa que há nove meses era o epicentro da covid-19, deixou o vírus para trás e renasceu, mas testemunha com desolação o balanço de um milhão de mortes que a pandemia já provocou em todo o planeta.

Nesta cidade do centro da China, submetida a um duro confinamento no início do ano, o orgulho de ter vencido a doença se confunde com a tristeza causada por esse trágico balanço.

“Um milhão de pessoas, falando em termos relativos à população global, pode não ser muito”, diz Hu Lingquan, cientista que mora em Wuhan.

“Mas estamos falando de pessoas reais, de pessoas que tinham família”, acrescenta.

Esta manhã, em Wuhan, as crianças iam para a escola, em meio ao trânsito intenso da cidade, que quase voltou ao normal.

No início de 2020, as imagens fantasmagóricas e sombrias de Wuhan confinada e isolada rodaram o mundo que ainda mal imaginava a pandemia que viria.

Hoje, a China afirma ter derrotado o vírus, enquanto de Londres a Melbourne, passando por Madri ou Tel Aviv, as pessoas voltam a se confinar.

Após meses de medidas duras, a economia está se recuperando na China, com a reabertura de fábricas e os consumidores de volta às lojas.

A própria Wuhan, considerada o “marco zero” da epidemia, agora se orgulha de seu retorno à normalidade, com grandes festas em piscinas ou parques de diversão lotados.

Mas aqueles que sofreram as devastadoras consequências econômicas e sociais da pandemia, costumam responsabilizar a China pela epidemia.

O vírus surgiu nesta cidade de 11 milhões de habitantes, que registrou 50.340 casos confirmados e 3.869 óbitos, o maior número de infectados e mortes na China.

Mas desde maio não são registrados novos casos em Wuhan, e muitos agora nesta cidade criticam a resposta global à epidemia, que parece ter sido controlada em território chinês.

Alguns líderes, porém, culpam este país diretamente, como o presidente dos Estados Unidos Donald Trump, que se refere à doença como o “vírus chinês”.

“Do ponto de vista chinês, a resposta de outros países ao vírus tem sido muito ruim”, diz Hu.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou que o número de vítimas da pandemia pode continuar a aumentar até que uma vacina eficaz seja encontrada e ela possa ser distribuída globalmente.

“Quando a epidemia estourou, nunca imaginei que o número de mortes pudesse ser tão alto”, afirmou à AFP Guo Jing, outro residente de Wuhan.

“Superou tudo o que se pode imaginar e continua subindo”, acrescentou.

Enquanto isso, em Wuhan, a maioria das máscaras estava pendurada no queixo de seus usuários, ao invés de cobrir a boca e o nariz, enquanto os shoppings estavam lotados.

“Wuhan renasceu”, disse An An, residente na cidade, à AFP.

“A vida voltou a ser o que era antes. Todos nós que moramos em Wuhan nos sentimos bem”, acrescentou.

burs-apj/rox/fox/me/zm

Veja também

+ Confira 4 dicas para descobrir se o mel é falsificado

+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"

+ MG: Pastor é preso por crime sexual e alega que caiu em tentação

+ App permite testar melhor design de sobrancelhas para você

+ Vídeo do TikTok com mulher sendo empurrada de ônibus viraliza; veja

+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por desconto de até 50% na parcela

+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

+Vídeo mostra puma perseguindo um corredor em trilha nos EUA

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar