Esportes

Willian se torna o 4º maior artilheiro do Palmeiras na história da Libertadores

Atacante superou Ademir da Guia, César e Edmundo

Willian se torna o 4º maior artilheiro do Palmeiras na história da Libertadores

Após 12 jogos sem estufar as redes, Willian voltou a marcar. O atacante anotou um dos gols do Palmeiras na goleada por 5 a 0 sobre o Delfín, do Equador, nessa quarta-feira, no Allianz Parque. O resultado colocou o Alviverde nas quartas de final da Libertadores 2020 e o jogador um degrau acima no ranking de artilheiros do clube na história da competição continental.

No Alviverde desde 2017, Willian chegou à marca de 9 gols em 28 partidas de Libertadores. Com isso, o goleador superou, em números gerais, Ademir da Guia, Edmundo e César Maluco, autores de oito tentos cada. O atacante agora é o 4º maior artilheiro do Palmeiras na disputa sul-americana, empatado com Lopes, que defendeu a equipe em 2001.

MAIORES ARTILHEIROS DO PALMEIRAS NA LIBERTADORES

1º – Alex – 12 gols em 39 jogos
2º – Tupãzinho – 11 gols em 14 jogos
3º – Borja – 11 gols em 24 jogos
4º – Willian – 9 gols em 28 jogos
Lopes – 9 gols em 11 jogos
6º – César Maluco – 8 gols em 10 jogos
Edmundo – 8 gols em 18 jogos
Ademir da Guia – 8 gols em 29 jogos
9º – Gustavo Scarpa – 6 gols em 11 jogos
Keirrison – 6 gols em 12 jogos

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Carla Perez fala sobre vida nos EUA: “Aqui é vida normal”
+ Denise Dias faz seguro do bumbum: “Meu patrimônio”
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel