Weintraub entra no ramo da exportação de vexame

Crédito: Reprodução/ Twitter

(Crédito: Reprodução/ Twitter)

Depois de ter sido considerado o pior ministro da Educação da história do Brasil, agora Abraham Weintraub quer nos brindar com o título de farsa internacional na administração do Banco Mundial.

Indicado para o posto de diretor do banco por Bolsonaro, Weintraub deverá ficar no cargo até outubro, embora a confirmação só deva ser oficializada com os votos dos representantes da Colômbia, República Dominicana, Equador, Haiti, Panamá, Filipinas, Suriname e Trinidad e Tobago.

Pode ser aprovado, mas corre o risco também de ser deportado, pois entrou de forma irregular nos EUA, usando o visto diplomático quando já não era mais nem ministro. Claramente uma fraude.

A ida de Abraham Weintraub para Washington, na verdade, é mais do que um presente de Bolsonaro. É um acinte à moralidade.

Weintraub vai para o Banco Mundial ganhando R$ 115 mil mensais (R$ 1,5 milhão por ano), muito acima dos R$ 31 mil que ganhava como ministro da Educação. Um Papai Noel antecipado.

Veja também

+ Toyota Corolla Cross é SUV do Corolla para brigar com Jeep Compass e cia; confira imagens oficias
+ Robert De Niro reduz limite do cartão da ex-mulher e diz que coronavírus implodiu suas finanças
+ MasterChef estreia sem "supercampeão" e cheio de mudanças
+ Gafanhotos: cidade na Bahia enfrenta invasão de insetos
+ Coronel da PM diz que Bolsonaro é ‘falastrão’ e renuncia à entidade de Oficiais
+ A “primavera das bikes” pós-pandemia vai chegar ao Brasil?
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.