Brasil

Weintraub defende seu trabalho em banco e diz que Maia espalha fake news

Crédito: AFP

O ex-ministro da Educação, Abraham Weintraub (Crédito: AFP)

Poucas horas após anunciar que deixaria o comando do Ministério da Educação, Abraham Weintraub respondeu às declarações do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), sobre seu trabalho no Banco Votorantim.

A princípio, o ministro demissionário disse que não iria comentar o caso, após ser questionado por seguidores. Mas, na mesma publicação no Twitter, escreveu: “Digo apenas que o Banco Votorantim NUNCA quebrou e que existe até hoje. A afirmação dele é uma MENTIRA. Tive a honra de trabalhar lá. Comecei como liquidante (boy) e cheguei a diretor estatutário. Fui economista chefe, ranqueado várias vezes no Top5”.

Numa outra publicação, em seguida, escreveu: “Trabalhei no Votorantim por 18 anos. O Banco existe até hoje. NUNCA QUEBROU! Atualmente invisto em títulos da dívida dessa instituição por acreditar em sua solidez e seriedade. Espalhar Fakenews sobre a solvência de uma instituição financeira é muito grave”.

O presidente da Câmara, ao ser informado sobre a indicação de Weintraub para o Banco Mundial, disse: “Não sabem que ele (Weintraub) trabalhou no Banco Votorantim, que quebrou em 2009. Ele era um dos economistas do banco”.

Veja também

+ Cantora MC Venenosa morre aos 32 anos e família pede ajuda para realizar velório
+ Homem salva cachorro da boca de crocodilo na Flórida
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel