Economia

Wall Street cai, e Dow Jones corta série histórica de recordes

Wall Street cai, e Dow Jones corta série histórica de recordes

Wall Street cai, e Dow Jones corta série histórica de recordes - AFP

Wall Street recuou nesta terça-feira (28), horas antes do discurso sobre o Estado da União do presidente Donald Trump, enquanto o índice industrial Dow Jones encerrou uma série histórica de 12 fechamentos recordes.

O Dow caiu 0,12%, nos 20.812,24 pontos; o Nasdaq perdeu 0,62%, nas 5.825,44 unidades; e o S&P 500 recuou 0,61%, nas 2.363,64 unidades.

As ações do setor varejista sofreram fortes perdas, depois de resultados ruins e das perspectivas da loja de departamentos Target, cuja ação perdeu 12,6%. Já o WalMart perdeu 1,1%. Best Buy e Macy’s também registraram quedas.

Apesar do recuo nesse setor, a organização Conference Board informou que a confiança dos consumidores alcançou, em janeiro, seu melhor valor em 15 anos.

Agora, a atenção dos analistas se volta para o discurso de Trump esta noite no Congresso. A expectativa é que seja possível encontrar, enfim, sinais específicos sobre sua política econômica.

O mercado de títulos cedia. Às 18h20 (horário de Brasília), o rendimento dos bônus do Tesouro para dez anos subia 2,389% contra os 2,366% de segunda-feira, e o dos bônus para 30 anos aumentava 2,992% contra os 2,987% anteriores.

Veja também

+ Confira 4 dicas para descobrir se o mel é falsificado

+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"

+ MG: Pastor é preso por crime sexual e alega que caiu em tentação

+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por desconto de até 50% na parcela

+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

+Vídeo mostra puma perseguindo um corredor em trilha nos EUA

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar