Geral

Voluntários em testes começam a descobrir se tomaram placebo ou Coronavac

Crédito: Renato Alves / Agência Brasília

O grupo de 1,4 mil voluntários que participou do teste da Coronavac no Brasil começou a descobrir, desde quinta-feira, 21, se recebeu as duas doses da vacina contra a covid-19 ou se tomou placebo. Por ser um teste duplo-cego, metade teve aplicada uma dose sem efeito nenhum, e por isso também terá prioridade na vacinação. Todos os participantes são profissionais da saúde.

O ginecologista Hsu Chic Chin, 62 anos, médico formado pela USP, relatou ao Estadão todos os passos de quem participa de um teste. Ele ainda não foi informado se tomou o imunizante e está ansioso pela resposta. “Sou diabético, hipertenso e colesterol alto, já tive enfarte. Estou aguardando com paciência”, disse.

Chin hoje tem uma clínica particular e é chefe de plantão aos domingos no Hospital Leonor Mendes de Barros, na zona leste de São Paulo. “Tomei as duas doses. Não tive efeito nenhum, nada. Vai ver tomei o placebo, vai saber”, contou.

Em um prédio ao lado da enfermaria e da UTI no Emílio Ribas, fica o setor de vacinação. Foi lá que todos esses voluntários se submeteram ao teste da Coronavac, desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac junto com o Instituto Butantã. O uso emergencial do imunizante no Brasil foi aprovado pela Anvisa no último domingo e possui eficácia de 53,38%.

Chin compareceu pela última vez ao Emílio Ribas há duas semanas para entregar seu diário de anotações, 14 dias após receber a segunda dose da vacina. Antes de tomar a primeira, ele passou por uma consulta de quase quatro horas. Respondeu a um questionário, realizou exame físico, de sangue e também fez o teste do cotonete, o RT-PCR. Em seguida, aplicaram o imunizante. Aguardou por mais duas horas para verificar se teria alguma reação. Passou por nova checagem e foi liberado.


+ Rapper implanta diamante de R$ 128 milhões no rosto
+ PR: Jovem desaparecida é encontrada morta; namorado confessa crime
+ Galo bota ovos e surpreende moradores de Santa Catarina

“A cada dois, três dias, recebia mensagem por Whatsapp perguntando como estava me sentindo”, explicou. Diariamente, tinha também que preencher um caderninho com cerca de 20 perguntas: se tinha febre, dor de cabeça, inchaço, diarreia…

Depois de 14 dias, recebeu a segunda dose. Ao chegar no Emílio Ribas, o mesmo processo. Exames, testes, aplicação do imunizante e mais duas horas de observação. Novo exame, e foi liberado. A próxima visita está pré-agendada para o fim de fevereiro. Isso se tiver tomado a vacina. Todos que participam do teste serão monitorados a cada três meses pelos próximos dois anos.

“Esse período corresponde à fase quatro do teste clínico (da Coronavac), que é quando é analisado os efeitos da vacina e sua duração”. Se tiver recebido o placebo, deverá receber a primeira dose da vacina nas próximas semanas.

Veja também

+ Aprenda a preparar o delicioso espaguete a carbonara
+ Vídeo: o passo a passo de como fazer ovo de Páscoa
+ Cientistas desvendam mistério das crateras gigantes da Sibéria
+ Sexo: saiba qual é a melhor posição de acordo com o seu signo
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Como fazer seu cabelo crescer mais rápido
+ Vem aí um novo megaiceberg da Antártida
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Cataratas do Niágara congelam e as imagens são incríveis
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Editora estreia com o romance La Cucina, uma aventura gastronômia e erótica

v