Comportamento

Volta às aulas marcada pelo coronavírus na Alemanha

Volta às aulas marcada pelo coronavírus na Alemanha

Quase 150.000 aluno retornarão aos colégios no länder (estado federal) de Mecklemburgo-Pomerânia Ocidental - AFP/Arquivos

Milhares de crianças do norte da Alemanha serão as primeiras a retornar às escolas na Europa após as férias de verão, uma volta às aulas marcada pela obrigação de respeitar algumas normas de distanciamento social.

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

Quase 150.000 alunos, que estão de férias desde meados de junho, retornarão aos colégios no länder (estado federal) de Mecklemburgo-Pomerânia Ocidental, uma das regiões menos afetadas pelo vírus na Alemanha, onde os contágios voltaram a aumentar, com mais de 500 novos casos a cada semana.

“As crianças precisam estar presentes na escola, pois devemos evitar o aumento de seu atraso”, declarou à AFP Steffen Kästner, diretor do colégio CJD Jugendorf-Christophorus em Rostock.

Os últimos meses do ano letivo anterior foram marcados pelo confinamento e o ensino a distância.

Para evitar os contágios de COVID-19, as escolas devem observar as normas de distanciamento social.

As crianças serão reunidas em função das idades e não poderão encontrar com os alunos de outras séries: as aulas devem ser organizadas em horários diferentes.

Se algum estudante testar positivo para o novo coronavírus, este sistema impedirá que toda a escola seja fechado e apenas seus colegas de classe serão isolados.

O uso de máscaras será obrigatório apenas nos corredores e a algumas medidas básicas devem ser respeitadas, como lavar as mãos com a maior regularidade possível e evitar os abraços.

Normas comuns para todas as escolas foram determinadas pelo governo central, mas cada länder pode decidir se deseja reforçar as medidas.

No colégio Jugendorf-Christophorus, que tem 1.350 alunos dos ensinos fundamental e médio, apenas duas crianças não retornarão às aulas por decisão de seus pais, “que pertencem a um grupo de risco”, explicou o diretor.

Käster está otimista sobre o início do ano letivo em uma das regiões menos afetadas pelo vírus na Alemanha, com apenas 20 mortes do total de 9.148 no conjunto do país.

Veja também

+ Por decisão judicial, Ciro Gomes tem imóvel penhorado em processo com Collor

+ Após foto “com volume” ser derrubada no Instagram, Zé Neto republica imagem usando bermuda

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Baleia jubarte consegue escapar de rio cheio de crocodilos na Austrália

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Morre mãe de Toni Garrido: “Descanse, minha rainha Tereza”

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Com maiô cavado, Scheila Carvalho ostenta corpo musculoso aos 47 anos

+ A Fazenda 2020: Peões ficarão 24 horas sem água encanada devido a punição por drink de álcool em gel

+ Aprenda a preparar o Chevette, drinque que virou febre em SP

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea