Saúde

Volta à tradição

Estudo mostra que a antiga cirurgia aberta para tratamento de câncer do colo do útero é mais eficaz do que a moderna videolaparoscopia e tem menor risco

Crédito: Divulgação

“A medicina tenta melhorar suas práticas para que a paciente tenha boa recuperação e maior sobrevida” Mariano Tamura, ginecologista do Hospital Albert Einstein (Crédito: Divulgação)

Um estudo publicado recentemente pela revista científica New England Journal of Medicine chacoalhou a comunidade médica mundial e trouxe à tona discussões sobre qual o melhor método de cirurgia nos casos de câncer do colo do útero, um dos que mais atinge mulheres. Ao longo de dez anos, 33 centros médicos espalhados pelo mundo trabalharam intensamente avaliando quase 700 pacientes para saber qual era a melhor técnica de operação e chegaram à conclusão de que a mais antiga, a aberta, ainda era a melhor porque garantia êxito de 93% contra a recidiva da doença comparado aos 85% de efetividade da moderna videolaparoscopia.

O choque foi grande entre os médicos, que viam na cirurgia por aparelhos, menos invasiva, um grande avanço para pacientes. Afinal, a recuperação era mais rápida sem um grande corte na barriga. Por isso, a técnica evoluiu para outras intervenções abdominais desde a década de 90. Mas, no caso do câncer de útero, não foi o que o se viu na prática, conforme detectou o estudo, que contou com a participação da equipe do Hospital Albert Einstein.

Para surpresa geral, o grupo tratado por laparoscopia tinha um risco de 1,6 até 8,5 vezes maior de ter a doença de volta e, portanto, mais chance de morte. Isso porque, diferente da aberta, a manipulação por equipamentos pode elevar as chances de contato das células cancerígenas e contaminação abdominal.

Busca de resultado

Segundo o ginecologista do Einstein responsável pelo estudo no Brasil, Mariano Tamura, a medicina sempre busca melhorar procedimentos para que o paciente tenha recuperação rápida, menos seqüelas e maior sobrevida. “Em países em desenvolvimento, como o Brasil, onde as pessoas não têm acesso à prevenção, a sobrevida é crucial”, diz.

O câncer de colo de útero afeta mulheres entre 40 a 45, sexual e economicamente ativas, tornando o cenário dramático. Em 99% dos casos há ocorrência de HPV e, geralmente, este câncer é mais agressivo. “Diferente do câncer de mama que atinge mulheres acima de 50, o de colo de útero tem uma etapa pré-maligna, o que ajuda nas chances de sobrevida”, diz ele.

Para o ginecologista do Hospital Sírio Libanês, Alexandre Pupo, o estudo mexeu com o mundo médico porque representa um refluxo da tecnologia. “Nas mudanças, deixamos de fazer coisas importantes, como isolamento da massa tumoral para que não haja contaminação de células cancerosas na cavidade abdominal. Mas medicina é baseada em estudos e comparações para oferecer o melhor aos pacientes e teremos de dar um passo atrás”, diz o especialista em oncologia ginecológica.
Mas para o Sistema Único de Saúde (SUS) pode representar uma economia, uma vez que os equipamentos são caros. “Como a cirurgia aberta requer menos recursos, os profissionais devem usar as técnicas tradicionais”, diz Tamura.