Economia

Volkswagen retomará a produção de automóveis na Europa na 2ª feira

A Volkswagen informou nesta quinta-feira, 16, por meio de nota distribuída à imprensa, que retomará a produção de automóveis na Europa a partir da próxima segunda-feira, dia 20 de abril, a começar pelas fábricas de Zwickau, na Alemanha, e Bratislava, na Eslováquia. Na segunda seguinte, dia 27, as atividades voltam nas demais fábricas alemãs e nas unidades de Portugal, Espanha, Rússia e Estados Unidos.

Em relação ao Brasil, os planos são de retorno em maio, junto com as unidades de África do Sul, Argentina e México. A nota não estabelece uma data específica para esses países.

“Com as decisões dos governos federal e estaduais na Alemanha e o relaxamento das restrições em outros estados europeus, foram estabelecidas condições para a retomada gradual da produção”, afirma na nota o chefe global de operações da montadora, Ralf Brandstätter.

Segundo ele, a Volkswagen se preparou intensivamente para essas etapas nas últimas três semanas. “Além de desenvolver um catálogo abrangente de medidas para a proteção da saúde de nossos empregados, também avançamos com o restabelecimento de nossas cadeias de suprimentos”, ele diz.

No Brasil, as fábricas da Volkswagen estão paradas desde o dia 23 de março. A última comunicação oficial da empresa em relação ao Brasil dizia que a produção estaria suspensa até o fim de abril. A montadora tem 15 mil empregados no Brasil, espalhados em quatro fábricas: São Bernardo do Campo (SP), Taubaté (SP), São José dos Pinhais (PR) e São Carlos (SP), um centro de peças em Vinhedo (SP) e escritórios regionais.

Veja também

+ Cartucho de videogame do Super Mario Bros. é leiloado por US$ 114 mil e quebra recorde
+ Jovem pede delivery e encontra dedo humano em esfirra
+ Usado: Toyota Corolla é carro para ficar longe da oficina
+ Veja 7 incríveis casas na natureza para sonhar
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior