Economia

Volkswagen Caminhões e Ônibus volta a produzir no dia 27, com retomada gradual

A Volkswagen Caminhões e Ônibus informou na manhã desta quinta-feira, 23, que voltará a produzir na próxima segunda-feira, dia 27 de abril. Segundo a empresa, a retomada será gradual, com medidas de segurança para os trabalhadores das linhas de produção. As atividades estão suspensas desde o dia 25 de março. A fábrica, portanto, ficará um mês parada.

“A prioridade sempre será a saúde de nossos colaboradores. Por isso, a retomada da produção será progressiva, nos permitindo também avaliar as condições da cadeia logística e de distribuição. Nossas áreas de Recursos Humanos e Produção têm um plano minucioso que obedece a todas as recomendações do Ministério da Saúde brasileiro e da Organização Mundial de Saúde”, diz Roberto Cortes, presidente e CEO da Volkswagen Caminhões e Ônibus.

A fábrica da Volkswagen Caminhões e Ônibus fica em Resende, no Estado do Rio de Janeiro. Em recente votação conduzida pelo Sindicato dos Metalúrgicos do Sul Fluminense, os colaboradores da Volkswagen Caminhões e Ônibus e das empresas do Consórcio Modular aprovaram a suspensão de contrato de parte do pessoal de produção e a redução da jornada para equipes administrativas em 25%. A medida faz parte do plano de retomada gradual da operação.

“Além de garantir empregos para todos os colaboradores, daremos a nossos clientes do Brasil e do exterior a tranquilidade necessária para fechar suas negociações, com a melhor oferta de produtos, peças, acessórios e serviços de assistência técnica. Sabemos que são os pontos fortes e de qualidade das marcas Volkswagen Caminhões e Ônibus e MAN”, explica Cortes.

Veja também

+ Entenda como a fase crítica da pandemia de Covid-19 pode ter sido superada em SP
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Ford Ranger supera concorrentes e é líder de vendas
+ Cantora Patricia Marx se assume lésbica aos 46 anos de idade
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior