Viver e morrer na pandemia

Viver e morrer na pandemia

Pessoas vão continuar morrendo de Covid no mundo inteiro.  Mais do que morreram até agora. Mas a vida vai prosseguir como era antes. A segunda, a terceira e a quarta vagas, poderão até ser bem mais devastadoras e mortíferas do que a primeira está sendo, mas como são sequelas, elas não vão chegar até nós embrulhadas no diáfano manto do desconhecido.

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

Já estamos nos habituando ao som da palavra “Covid” e vamos retirá-la da prateleira do medo. Nossos ouvidos já não sentem suas sílabas como chicotes e nossos olhos já não sentem suas as letras com terror. O passo seguinte vai ser arrumar a palavra numa gaveta mais discreta, num armário menos disponível, junto com as outras palavras más com as quais estamos já acostumados.

Essas palavras também mataram milhares de pessoas, mas como não tiveram a sorte de começar na era dos políticos fracos e das mídias sociais fortes, não ficaram no escaparate da loucura coletiva.

As gripes e outras pestes bíblicas — espanholas, bubónicas ou negras. As doenças que a pobreza não nos deixa esquecer — Cólera, Malária, Dengue, Zica, Chicungunha. Mas também outras, não-biológicas — Inquisição, Holocausto, Revolução cultural, que também assolaram o nosso planeta em séculos anteriores, matando mais gente, mas sem inspirar o medo de forma tão global como agora.

Antes da internet tudo era mais lento (e talvez mais fácil). Havia muito menos notícias e muito mais crónicas. E era muito raro assistir às coisas ao vivo em direto, tudo se passava em diferido, filtrado pelos olhos da ciência, da política ou simplesmente pelo tempo.

O escritor Stendhal falava o seguinte: “O medo não está no perigo, mas sim em nós”, e este Novo Coronavírus é prova quase científica disso mesmo.

Se reparamos bem, desde o início do mês de Março até agora, passou muito pouco tempo. Foram apenas 5 meses. Mas foi nesse tempo que o mundo experimentou o maior medo coletivo de todos os tempos. Foi nesse intervalo que, pela primeira vez na história da humanidade todos os seres humanos estiveram juntos, ao mesmo tempo, na mesma página.

Pela primeira vez desde que há memória, políticos, cientistas e jornalistas; da elite mais alta às pessoas mais simples, todos viveram simultaneamente a mesma vertigem desconhecida.

A cada dia que passa o arvoamento diminui. As notícias serão em menor número e o medo vai desaparecer da televisão. A Covid vai continuar a matar, mas da mesma maneira que matam todas as outras doenças: primeiro os fracos e os pobres, e só depois os outros.

Veja também

+ Após foto “com volume” ser derrubada no Instagram, Zé Neto republica imagem usando bermuda

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Baleia jubarte consegue escapar de rio cheio de crocodilos na Austrália

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Morre mãe de Toni Garrido: “Descanse, minha rainha Tereza”

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Último superjumbo Airbus A380 é montado na França

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea


Sobre o autor

José Manuel Diogo é autor, colunista, empreendedor e key note speaker; especialista internacional em media intelligence,  gestão de informações, comunicação estratégica e lobby. Diretor do Global Media Group e membro do Observatório Político Português e da Câmara de Comércio e Indústria Luso Brasileira. Colunista regular na imprensa portuguesa há mais de 15 anos, mantém coluna no Jornal de Notícias e no Diário de Coimbra. É ainda autor do blog espumadosdias.com. Pai de dois filhos, vive sempre com um pé em cada lado do oceano Atlântico, entre São Paulo e Lisboa, Luanda, Londres e Amsterdã.


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.