Cultura

Vitória para ‘Um Limite entre Nós’ no SAG Award

Prêmio de atores, que escolhem atores, o SAG Award, do sindicato – guild -, costuma ser indicativo para o Oscar, porque, além de tudo, eles representam a categoria mais numerosa na Academia de Hollywood. E, este ano, os atores botaram para quebrar – três negros venceram as categorias principais. Denzel Washington, melhor ator, por Um Limite Entre Nós, que também dirigiu – e a vitória de Denzel foi a única surpresa, porque o favoritismo era de Casey Affleck e agora a carreira dele fica incerta no Oscar -, Viola Davis, melhor coadjuvante feminina, justamente por Um Limite Entre Nós, e Mahershala Ali, melhor coadjuvante masculino, o favorito da categoria, por Moonlight – Sob a Luz do Luar.

O SAG Award contempla a categoria de melhor elenco, e ganhou o de Estrelas Além do Tempo, que resgata a história, até aqui desconhecida, das cientistas negras que foram essenciais na epopeia espacial dos EUA, mas que, em plena luta por direitos civis, permaneceram segregadas. Octavia Spencer, Taraji P. Henson, Janelle Monae e Kevin Costner, que, no trailer, tem aquela cena gloriosa, quando arrebenta, a golpes de porrete, a placa que indica o banheiro exclusivo de brancos. Como melhor atriz, não deu outra, a loirinha da vez, Emma Stone, que, como Gwyneth Paltrow, no ano em que Fernanda Montenegro concorria, tirou o Oscar de nossa grande atriz. Emma Stone ganhou por La La Land e fica fortalecida, mesmo que lá, no prêmio da Academia, a maior das cinco indicadas seja a francesa Isabelle Huppert de Elle e sempre existe a expectativa de que a ‘superestimada’ Meryl Streep, vencendo de novo, faça outro discurso contra Donald Trump. A própria Emma aprendeu a lição e, em, seu discurso de agradecimento, disse estar honrada por pertencer a uma categoria que não se curva e tem a coragem de protestar contra o horror que Trump, como presidente, começa a tentar impor. Meryl, na plateia, acompanhou o discurso fazendo sinal de aprovação com a cabeça.

Na TV

O SAG foi fundamental para sacudir as apostas para o Oscar, cujos vencedores serão conhecidos na cerimônia de 26 de fevereiro, tirando o favoritismo todo de La La Land. Nas premiações de TV, contudo, a associação dos atores colocou uma grande interrogação na cabeça de todos. Quem dominou a premiação foi justamente a Netflix, empresa de TV por streaming que havia sido lembrada pela série The Crown, mas ignorada em outras produções importantes da casa.

Os atores votantes deixaram bastante claro o que eles gostam de assistir naquelas noites de sábado acompanhadas por pipoca e um cobertor. A Amazon, concorrente direta, já estava fora do jogo desde que foram anunciados os indicados, mas as emissoras de TV por assinatura, como HBO (com Westworld e The Night Of) poderiam causar algum estrago. Não causaram. Metade dos prêmios ficaram com a Netflix: com direito a dobradinha para os protagonistas de The Crown e a escolha de Stranger Things como a série com o melhor elenco. (Colaborou Pedro Antunes)

VENCEDORES

CINEMA

Melhor elenco: ‘Estrelas Além do Tempo’

Melhor atriz: Emma Stone (‘La La Land: Cantando Estações’)

Melhor ator: Denzel Washington (‘Um Limite Entre Nós’)

Melhor atriz coadjuvante: Viola Davis (‘Um Limite Entre Nós’)

Melhor ator coadjuvante: Mahershala Ali (‘moonlight’)

SÉRIES DE TV

Melhor elenco – drama: ‘Stranger Things’

Melhor atriz – drama: Claire Foy (‘The Crown’)

Melhor ator – drama: John Lithgow (‘The Crown’)

Melhor elenco de série cômica: ‘Orange Is The New Black’

Melhor atriz de série cômica: Julia Louis-Dreyfus (‘Veep’)

Melhor ator de série cômica: William H. Macy (‘Shameless’)

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.