Medicina & Bem-estar

Visão prolongada

Óculos de realidade virtual, desenvolvido por brasileiro, preenche uma das grandes lacunas da medicina: a do diagnóstico precoce do glaucoma

Istock

Por mais que tenha se desenvolvido em diagnósticos e tratamentos nos últimos anos, a oftalmologia ainda carecia de um método que lhe facilitasse detectar uma doença ocular antes mesmo de os sintomas se manifestarem. Essa lacuna acaba de ser preenchida com um novo óculos de realidade virtual. Trata-se do nGoggle, um disposito portátil que, via wireless, funciona como o mais moderno e eficaz aliado no diagnóstico precoce do glaucoma, principal causa de cegueira em todo o mundo. Causado por uma grave lesão no nervo óptico, decorrente do aumento crônico da pressão intraocular, o glaucoma (atinge cerca de 60 milhões de pessoas no mundo e 1,5 milhão de brasileiros) integra o grupo das chamadas enfermidades “silenciosas”: desenvolve-se sem sintomatologia e, quando se manifesta, o seu portador já perdeu irreversivelmente uma parte da visão periférica. Com o alerta preventivo que se tem com o nGoggle, o paciente poderá ser tratado com medicamentos ou procedimento cirúrgico antes que ocorra tal dano visual definitivo.

O exame é simples: o paciente coloca os óculos e é apresentado a uma série de estímulos que se alternam no visor do dispositivo. A análise das ondas cerebrais captadas pelo aparelho consegue então revelar a presença de doenças afetando o sistema de neurotransmissores que atuam no campo visual. O método e o desenvolvimento do projeto do nGoggle leva a assinatura do oftalmologista brasileiro Felipe Medeiros, diretor de Pesquisa da Duke University, nos EUA, além da participação dos departamentos de oftalmologia e engenharia das universidades de San Diego e de Taiwan.

ÓCULOS OCULISTAS

A expectativa é de que o novo aparelho esteja no mercado já em meados do ano que vem. “O plano é iniciar estudos em múltiplos centros”, diz o especialista Fábio Daga, do departamento de oftalmologia da Duke University. “Inclusive no Brasil”. Além do diagnóstico de alerta, esses óculos se mostraram também mais eficientes, se comparados a métodos tradicionais, na percepção do glaucoma quando ele já está instalado. Estudo publicado no JAMA Ophthalmology, a bíblia mundial da oftalmologia, apontou que a capacidade diagnóstica do nGoggle, em relação ao teste conhecido como campo visual Humphrey (o mais tradicional) é superior entre 25% e 30%. Há, finalmente, de se levar em conta o fator de que o exame feito por meio desse dispositivo é menos desconfortável. “Os aparelhos existentes para avaliar a visão periférica são não portáteis”, diz Medeiros. E o conforto, além da cura, é tudo para o paciente.