Inflação de três dígitos, depois de três décadas. A Argentina não registrava tamanha alta desde 1991, mas com os 13,1% somados em janeiro e fevereiro de 2023, o acúmulo anual chegou a 102,5% agora em março, segundo o Instituto Nacional de Estatísticas e Censos (INDEC). É sob esse peso que os argentinos seguem rumo às eleições para presidente, governadores e legisladores, em 22 de outubro, um domingo que poderá revelar a força política da extrema direita no país, impulsionada em boa parte pela crise econômica enfrentada há décadas pela população. Fato, de certa forma inesperado, e importante, “esse radicalismo se apresenta pela primeira vez na história da Argentina, tradicionalmente voltada aos direitos humanos e à democracia”, como observa Flavia Loss, professora de Ciência Política da FESPSP (Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo).

O cenário se tornou propício a populistas como Javier Milei ­— ex-goleiro de futebol, vocalista de banda cover dos Rolling Stones, comediante e radialista ­— , que completa 53 anos justamente na data da eleição. Também economista, surpreendeu como líder de uma coalizão liderada pelo partido que fundou, o La Liberdade Avanza, ao ser eleito deputado nacional por Buenos Aires em 2021, e agora faz campanha para presidente dizendo-se “anarco-capitalista” ou “liberal libertário”. Chamado de “El Peluca” (“Peruca”, por conta do corte de cabelo desvairado), se mostra agressivo, defende armas para a população, nega o aquecimento global que diz ser invenção comunista, e se vale de xingamentos ­— o que também lhe garantiu o rótulo de “Bolsonaro argentino”. Assinou a Carta de Madrid, elaborada pelo partido extremista espanhol Vox, e que descreve grupos ibero-americanos de esquerda como criminosos sob influência cubana. Diz que não visita os pais porque, para ele, estão mortos, e considera como filho o primeiro dos cinco cachorros (da raça mastim inglês) que mantém.

Nesse percurso, Javier Milei ganhou uma Bolsonaro-de-saias como concorrente: Patricia Bullrich, presidente do partido Proposta Republicana (PRO), que foi deputada em dois mandatos (1993-1997 e 2007-2015) e três vezes ministra (do Trabalho, da Segurança Social e de Segurança). Perto de completar 67 anos (em junho), é classificada como linha-dura ao declarar que “direitos humanos são para delinquentes” e defender repressão a quaisquer protestos da população. Seu partido está na coalizão Juntos pela Mudanza e tem na violência urbana a principal bandeira de campanha. Bullrich vem ganhando terreno na extrema direita, mas para conseguir vaga como candidata à presidência da Argentina ainda precisa derrotar internamente o rival Horacio Rodríguez Larreta, prefeito de Buenos Aires, de centro-direita.

Em crise econômica, a Argentina dá uma guinada à direita
Federico Parra

“Em um mundo onde suportamos tentativas desestabilizadoras, é um orgulho celebrar 40 anos de democracia”, Alberto Fernández, presidente da Argentina

Respostas prontas

Atual presidente da Argentina, Alberto Fernández (kirchnerista do Frente de Todos) se debate para segurar a queda da moeda. Agora no início de abril, criou o “dólar agrícola”, espécie de subsídio aos exportadores do agronegócio, com valor intermediário entre o dólar oficial e o paralelo (que chegaram a uma diferença de 160% em julho passado), para reverter a situação de produtores que retêm dólares no Exterior e ganham com a desvalorização da moeda do país. São tentativas de cumprir o plano de reestruturação apresentado pelo FMI à época da renegociação da dívida de US$ 45 bilhões, em 2022.

102,5%  foi a inflação acumulada do país em março

Fernández segue candidato à reeleição. Cristina Kirchner, ex-presidente e sua atual vice (com quem está rompido), aparecia em segundo lugar na intenção de votos herdados do peronismo, mas diz que não irá concorrer, assim como o ex-presidente Mauricio Macri. O radical Javier Milei, que defende a dolarização da economia com a extinção do Banco Central, aparece como terceiro na preferência dos eleitores, mas concorrendo na mesma raia de Bullrich, que, para muitos, teria mais chances do que ele na linha de chegada.

Flavia Loss vê o esgotamento do kirchnerismo (de centro-esquerda) como um dos fatores pela ascensão da extrema direita na Argentina. Para ela, o continente surfou a onda rosa de pujança, mas não conseguiu cumprir promessas quanto a resoluções de problemas como desigualdade, inflação e fome. Em resumo, não entregou prosperidade. A resposta à população de um continente conservador foi, espertamente, da extrema direita, contrária à pauta social e progressista. “Essa tática dos extremistas é desenvolvida desde os anos 1980 e ganhou força a partir de 2010 com as redes sociais, que se tornaram a ponta-de-lança desse movimento”, diz a professora, para quem ou os progressistas reagem, ou em cinco anos a direita poderá ter tomado vários governos do mundo.

Em crise econômica, a Argentina dá uma guinada à direita
LINHA-DURA Patrícia Bullrich está em ascensão como líder da extrema-direita (Crédito:Divulgação)

Quando se buscam saídas em meio a um cenário de deterioração, não apenas econômico, como da própria democracia, continua Flavia, é a extrema direita que vem se apresentando em vários países, com o mesmo modus operandi que se vê no trumpismo ou no bolsonarismo. “Na Argentina, o movimento veio à tona de maneira nunca vista e forte, como parte dessa manisfestação estruturada internacionalmente, além de eficiente em articulação, sobre uma esquerda que segue fragmentada ou até engolida, como a centro-direita já foi.”