Mundo

Vídeo: Russos divulgam imagens de exercício com disparos de mísseis antinavios

A Rússia realizou um exercício de mísseis antinavio no mar Báltico em meio a crescentes tensões com a Lituânia, membro da OTAN, depois que o país bloqueou o trânsito de mercadorias para o enclave russo de Kaliningrado.


A filmagem supostamente mostra um navio de guerra russo no mar Báltico realizando um exercício militar. A embarcação pode ser vista lançando um míssil antinavio no que parece ser um alvo simulado, com uma câmera montada a bordo do referido alvo mostrando o míssil atingindo-o com precisão.

O Ministério da Defesa da Rússia (MoD) disse em um comunicado na segunda-feira, 20 de junho: “A tripulação da corveta Soobrazitelny, como parte de um exercício da Frota do Báltico, lançou um ataque de míssil contra um alvo marítimo imitando um navio de guerra de uma simulação inimigo.’O disparo de foguetes foi realizado usando a principal arma de ataque da corveta – o sistema de mísseis anti-navio Uran.

Além disso, a tripulação da corveta realizou um exercício de defesa aérea no mar usando o sistema de artilharia A-190. Após completar a missão de fogo, a tripulação do navio realizou uma série de exercícios a bordo – sobre guerra eletrônica, controle de danos, defesa anti-sabotagem, organizando a interação e as comunicações entre os navios que realizam disparos de mísseis.

«A Lituânia anunciou na sexta-feira, 17 de junho, a suspensão do trânsito de mercadorias sujeitas a sanções da UE através do seu território para o enclave russo de Kaliningrado.

Kaliningrado é um enclave russo que faz fronteira com a Polônia e a Lituânia que foi capturado da Alemanha nazista em 1945, no final da Segunda Guerra Mundial. Até agora, as mercadorias chegavam principalmente da Rússia via ferrovia, transitando pela Lituânia.


+ Vanessa Mesquita, vencedora do BBB14 estreia no Privacy. Veja fotos
+ Carro ‘mais rápido do mundo’ bate recorde e beira os 500 km/h; assista
+ 6 alimentos que você deve evitar durante a menopausa
+ Quarta onda? Confira 8 sintomas comuns da Covid em pessoas já vacinadas

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia reagiu ao anúncio da suspensão do trânsito de mercadorias convocando o encarregado de negócios lituano, Virginia Umbrasene, exigindo que as restrições fossem levantadas.

A Rússia disse que “se reserva o direito de agir para proteger seus interesses nacionais”, enquanto o governador da região de Kaliningrado Oblast, Anton Alikhanov, anunciou planos para que navios de carga comecem a transportar mercadorias entre São Petersburgo e o enclave.

O chefe do Gabinete do Presidente ucraniano, Andriy Yermak, disse na noite de segunda-feira, 20 de junho: “As tentativas do Kremlin de ameaçar a Lituânia são um desafio para a UE e a OTAN.

“Agora é importante manter uma posição estável e não fazer concessões à Rússia sobre sanções e restrições ao trânsito de mercadorias da Rússia para Kaliningrado. Qualquer concessão será percebida pela Rússia como uma fraqueza.

“E o chefe de política externa da UE, Josep Borrell, disse em uma entrevista coletiva em Bruxelas que a Lituânia está apenas aplicando as sanções da UE e não está tomando medidas unilaterais.

A Rússia invadiu a Ucrânia em 24 de fevereiro no que o Kremlin chamou de “operação militar especial” para “libertar o Donbass”. O Estado-Maior Geral das Forças Armadas da Ucrânia informou que entre 24 de fevereiro e 21 de junho, a Rússia havia perdido cerca de 34.100 pessoas, 1.496 tanques, 3.606 veículos de combate blindados, 752 unidades de artilharia, 239 sistemas de foguetes de lançamento múltiplo, 98 sistemas de defesa aérea, 216 aviões de guerra. , 181 helicópteros, 611 drones, 137 mísseis de cruzeiro, 14 navios de guerra, 2.537 veículos automotores e tanques de combustível e 59 unidades de equipamentos especiais.

O novo chefe do Exército britânico, general Sir Patrick Sanders, disse às forças britânicas que eles precisam estar prontos para enfrentar a Rússia no campo de batalha e disse que o Exército britânico agora precisa ser capaz de derrotar a Rússia.

O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky visitou a linha de frente sul da Ucrânia enquanto as forças ucranianas montam um contra-ataque na região para repelir as tropas russas.

O secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, disse que a guerra na Ucrânia pode durar anos, acrescentando que, embora os custos sejam altos, o custo de permitir que a Rússia atinja seus objetivos militares seria ainda maior.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, prometeu a Kyiv mais 1 bilhão de dólares em assistência de segurança e armas. E o general norte-americano Mark Milley diz que a Rússia perdeu cerca de 20 a 30 por cento de sua força blindada durante a invasão em curso.

O ex-presidente russo e fiel aliado de Vladimir Putin, Dmitry Medvedev, ridicularizou os líderes franceses, alemães e italianos que visitam a capital ucraniana, Kyiv, como “fãs de sapos, salsicha e espaguete”.

O presidente francês Emmanuel Macron, o chanceler alemão Olaf Scholz e o primeiro-ministro italiano Mario Draghi conversaram na capital ucraniana Kyiv com o presidente Zelenskyy em 16 de junho.

O presidente Zelenskyy disse que uma “semana histórica” ​​começou enquanto Kyiv aguarda uma decisão de Bruxelas sobre seu status de candidato à UE.

O Parlamento Europeu aprovou uma resolução recomendando que a União Europeia conceda à Ucrânia o estatuto de país candidato à adesão à UE. Cerca de 438 deputados votaram a favor da resolução, com 65 votos contra e 94 abstenções.

O jornalista russo independente Dmitry Muratov leiloou sua medalha do Prêmio Nobel da Paz por US$ 103,5 milhões, com toda a renda destinada a ajudar os refugiados ucranianos.

Muratov, 60, é o editor-chefe do jornal independente russo Novaya Gazeta, que ele cofundou em 1993. O jornal desafiou regularmente inúmeras ameaças e cobriu temas que incomodam o Kremlin.

A Novaya Gazeta relatou sobre a corrupção do governo russo, violações de direitos humanos e violência policial, bem como publicou artigos que criticam o presidente russo, Vladimir Putin.

Muratov tem sido um defensor vocal da liberdade de imprensa e argumentou que ela precisa permanecer independente da influência do Estado.