Geral

Vídeo: Dono de frigorífico agride idoso por suposto furto de frango e carne

Crédito: Reprodução/Redes sociais

Erasmo Neves, que é dono do frigorífico Casa de Carnes Morumby, agrediu um idoso que supostamente teria furtado alguns pacotes de frango e carne moída. O caso ocorreu na quinta-feira (12), na cidade de Juazeiro (BA). As informações são do UOL.

O vídeo a princípio foi divulgado pelo Instagram da Casa de Carnes Morumby. Depois, compartilhado por diversos perfis nas redes sociais.

Nas imagens, Erasmo afirma que flagrou o idoso furtando os pacotes de frango e carne moída.

“Pegamos um ladrão aqui na loja do Alto da Maravilha. Já tinha pegado ele um dia na Areia Branca, roubando. Hoje reconheci ele aqui e peguei de novo. Tá aqui roubando um frango e uma carne moída”, disse.

“Eu trabalho feito um filho da p***, e o cabra roubando, roubando, roubando”, completou.

Erasmo ainda deu um tapa na cabeça do idoso, jogou a sacola em cima dele, e deu um chute ao expulsá-lo do estabelecimento.

A atitude do empresário foi rechaçada por seguidos e, na sequência, ele deletou o vídeo da rede social do estabelecimento.

Depois, Erasmo publicou um pedido de desculpas e disse que se arrepende “profundamente da atitude movida pela forte emoção violenta”.

“Continuarei investindo em sistema de monitoramento eletrônico e segurança preventiva e/ou ostensiva para que os clientes e amigos sintam-se cada vez mais seguros ao adentrarem nas nossas lojas. Com mais de 40 anos de tradição na região do Vale do São Francisco, a nossa empresa é reconhecida pelas boas condutas perante os clientes, amigos e colaboradores, contribuindo para o desenvolvimento econômico das cidades de Juazeiro (BA) e Petrolina (PE)”, completou.

Furto famélico

O suposto delito que teria sido praticado pelo idoso foi classificado, em 2004, pelo Supremo Tribunal Federal (STF) como furto famélico, que é quando alguém pega comida, medicamentos ou qualquer outro item indispensável para a sua sobrevivência.

Por conta disso, casos de furto famélico devem ser arquivados.

Procuradas, tanto a Polícia Civil quanto a Militar informaram que o caso não foi registrado em nenhuma delegacia da região.