Brasil

Viagem a Israel custou R$ 88 mil e não resultou em acordo de spray contra Covid

Crédito: Alan Soares/Presidência da República

A viagem de uma comitiva do governo federal a Israel, entre 7 e 9 de março, custou ao menos R$ 88,2 mil e não resultou em um acordo de cooperação entre o Brasil e a empresa israelense que desenvolve um spray nasal em fase de testes para um possível tratamento contra a Covid-19. As informações são do G1 e do UOL.

O Ministério das Relações Exteriores confirmou as informações em uma resposta, de 44 páginas, a questionamentos da bancada do PSOL na Câmara dos Deputados. De acordo com o Itamaraty, foram gastos 14,2 mil dólares, 1,6 mil euros e R$ 2,7 mil em passagens, alimentação, hospedagens, reservas de salas e diárias, entre outras despesas. Esses valores ainda não contemplam os custos de deslocamento em avião da FAB (Força Aérea Brasileira).

Participaram da comitiva o ex-chanceler Ernesto Araújo; os deputados Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e Helio Lopes (PSL-RJ); o ex-secretário de Comunicação do governo Fabio Wajngarten; os assessores do Palácio do Planalto Filipe Martins e Max Moura; auxiliares do Itamaraty; e apenas dois técnicos: Hélio Angotti Neto, secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação do Ministério da Saúde, e Marcelo Morales, secretário de Pesquisa e Formação Científica do Ministério da Ciência e Tecnologia.

De acordo com o ofício do Itamaraty, o acordo entre o Brasil e o fabricante israelense não foi celebrado por conta da falta de assinatura de representante do Ministério da Saúde brasileiro.

“No que diz respeito à carta de intenções entre o Ministério das Relações Exteriores, o Ministério da Saúde e a OBCTCCD24 LTDA (empresa israelense) sobre cooperação em relação ao spray nasal EXO-CD24, cujo objetivo seria consolidar a intenção do governo brasileiro de dar continuidade ao diálogo sobre cooperação com aquela empresa, o projeto de carta não teve sua celebração completada, uma vez que não foi assinada pelo representante do Ministério da Saúde e não chegou à troca de instrumentos entre os signatários, conforme prática de negociação internacional”, diz o documento.

A viagem da comitiva brasileira a Israel ficou marcada pelo constrangimento de ter sido cobrada da utilização de máscara durante uma reunião com o chanceler israelense Gabi Ashkenazi. O então ministro das Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo, chegou a ser alertado pela chancelaria israelense para que pusesse o equipamento de proteção para uma foto com Ashkenazi.

+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça

Além disso, a comitiva brasileira também foi orientada a se sentar com distanciamento social de cadeiras no auditório em que ocorreu a cerimônia de boas-vindas do grupo.

Veja também
+ Dublê de 28 anos morre ao tentar recorde com manobra de moto
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago