Mundo

Coronavírus: Equador demora 4 dias para recolher corpos

Coronavírus: Equador demora 4 dias para recolher corpos

Mulher chora na entrada do hospital Los Ceibos, em Guayaquil, em 4 de abril de 2020 - AFP

César Gálvez perambulou com o pai doente pelo sistema de saúde de Guayaquil antes de vê-lo morrer asfixiado em casa. Ele passou quatro dias com o corpo embrulhado em plástico preto e limão por cima, até que foi removido de sua casa.

Reynel, seu pai de 62 anos, morreu na quarta-feira passada após uma crise respiratória que o filho não sabe se foi causada pela COVID-19.

Não foi submetido a exames apesar dos sintomas aparentes de contágio, segundo declarou Gálvez à AFP.

“Ele se sentia um pouco mal e me disse que havia telefonado para o 171, porque teve uma piora no estado de saúde (…) Eles o chamaram para ir ao hospital, mas disseram que estava bem e o mandaram de volta para casa”.

Dono de uma loja do bairro, em uma área humilde do porto equatoriano, o filho de 31 anos diz que a saúde de Reynel “foi se deteriorando rapidamente”. “Um dia quase não conseguia respirar”.

Ele tentou fazer com que seu pai recebesse atendimento em casas de saúde públicas e privadas. Até tentou, sem sucesso, a telemedicina implementada pelo governo para não saturar o sistema hospitalar.

No Equador, já existem mais de 3.600 infectados, incluindo 180 mortos. Destes, 69% dos casos estão concentrados na província de Guayas e sua capital, Guayaquil.

– Oxigênio que acaba –

Na véspera da morte “liguei para o 171 e eles me disseram que iriam me passar para um médico, porque o canal era de telemedicina. Esperamos cerca de meia hora. Ninguém nunca respondeu. Ligamos novamente, mas ninguém atendeu”.

Então, acrescenta Gálvez, ele decidiu levá-lo de volta a um sanatório. “Estava lotado de pessoas com oxigênio, mas fora do hospital. Eles não podiam cuidar dele. O que eles sabiam dizer era que havia dois médicos e cada médico tinha 40 pacientes sob seus cuidados”.

O pai teve que voltar para casa e pedir ajuda a um médico particular.

“Ficou um pouco mais complicado e tivemos que procurar um cilindro de oxigênio porque não havia nenhum por aqui. Busquei on-line”.

Eles finalmente conseguiram um que terminou depois de algumas horas. Reynel durou mais duas sem oxigênio e faleceu enquanto sua família tentava obter outro cilindro.

O filho envolveu o corpo em plástico e o cobriu com limão para preservá-lo o melhor possível.

Somente no domingo, quatro dias após sua morte, uma força policial e militar conjunta coletou o corpo da casa.

O governo ativou esse mecanismo para recuperar centenas de corpos que se acumularam por dias nas casas de Guayaquil, antes do colapso do sistema mortuário.

Não há dados confiáveis sobre quantas pessoas morreram em suas casas devido ao novo coronavírus.

Resignado, Gálvez comenta que a família decidiu que as autoridades se encarregariam de enterrar o corpo do pai, já que não tinham dinheiro para uma funerária.

Veja também

+ Entenda como a fase crítica da pandemia de Covid-19 pode ter sido superada em SP
+ A “primavera das bikes” pós-pandemia vai chegar ao Brasil?
+ Após se aposentar da Globo, Sérgio Chapelin aparece com novo visual; veja
+ Nick Cordero morre aos 41 anos, vítima de complicações da Covid-19
+ Hamilton bateu de novo em Albon; veja memes da F1
+ Pandemia adia cirurgia e saúde de Schumacher piora
+ Ford Ranger supera concorrentes e é líder de vendas
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior