Economia & Negócios

A vez das fintechs

Com uso intensivo de tecnologia, as startups financeiras desafiam as instituições bancárias tradicionais oferecendo taxas de juros menores e cartões de crédito sem anuidade

A vez das fintechs

A facilidade de acessar a conta bancária pela internet e fazer movimentações por meio de aplicativos no celular tem tirado os clientes das agências bancárias, esvaziando as filas e tornando mais fáceis e rápidos serviços que antes só eram possíveis na boca do caixa. Ainda assim, os bancos tradicionais mantêm alguns procedimentos que exigem a presença física dos clientes. Abrir uma conta, renegociar dívidas, solicitar empréstimos e outros trâmites burocráticos costumam demandar a experiência antiga de ir até a agência e assinar inúmeros papéis. É em parte por eliminar tudo isso que as fintechs avançam. O nome fintech vem da fusão das palavras em inglês para finanças e tecnologia. Nascidas na era digital, essas empresas usam recursos tecnológicos de forma intensiva para oferecer produtos financeiros inovadores. No Brasil, líder do setor na América Latina, há 250 iniciativas do tipo — muito acima do México, o segundo colocado, com 158 empresas. “O Brasil é hoje um celeiro dessas pequenas empresas fundadas com o sonho de se tornarem grandes”, diz Newton Campos, coordenador do Centro de Estudos de Private Equity e Venture Capital da Fundação Getúlio Vargas.

sucesso Cristina Junqueira, com os fundadores do Nubank: fila de espera chega a 400 mil pessoas
SUCESSO Cristina Junqueira, com os fundadores do Nubank: fila de espera chega a 400 mil pessoas

Ainda que cresçam por oferecer agilidade, é pelo impacto no bolso dos clientes que as fintechs fazem a diferença. O Nubank traz um cartão de crédito sem anuidade, com taxas de juros de financiamento da fatura entre 2,5% e 9,75% ao mês. O valor é significativamente mais baixo que a média do crédito rotativo no mercado, atualmente em torno de 15,89% ao mês. “O Nubank surgiu para resolver um problema real de uma população ainda bem jovem, ligada à tecnologia, e que quer gerenciar seus gastos e usar o cartão de crédito de maneira digital”, diz Cristina Junqueira, cofundadora do Nubank. “No Brasil são aplicados os juros mais altos e tarifas exorbitantes no cartão de crédito. Em troca, recebemos um serviço abaixo da média”, afirma a executiva. A possibilidade de ter um cartão de crédito nesses moldes tem despertado enorme interesse. Em menos de três anos de operação o Nubank já recebeu mais de 5 milhões de pedidos de cartão. A lista de espera é de 400 mil pessoas.

“Um banco tradicional tem cerca de 4 mil produtos diferentes, enquanto uma fintech se concentra em poucos deles — e faz isso muito bem”  Newton Campos, coordenador do Centro de Estudos de Private Equity e Venture Capital da FGV

Faz sentido que tanta gente queira sair do cartão de crédito tradicional. Desde outubro passado, a taxa básica de juros da economia, a Selic, teve quatro quedas consecutivas. Em fevereiro, baixou a 12,25% ao ano, nível de março de 2015. Apesar disso, a taxa do rotativo do cartão de crédito continuou subindo e bateu um novo recorde em janeiro, chegando a 486,75% ao ano. A explicação dada pelas administradoras para continuar elevando suas taxas é o alto nível de inadimplência constatado no ano passado. “Os bancos não negligenciam nenhuma receita adicional como forma de compensar perdas com a inadimplência”, diz Roberto Dumas Damas, professor de economia do Insper. Isso ajudou as fintechs a ganhar espaço. Muitos clientes decidiram trocar seus antigos cartões pelos que não cobram anuidade e aplicam taxas de juros mais acessíveis. O gestor de marketing John Eduardo Dias Faustino, de 31 anos, decidiu cancelar os cartões que tinha há mais de sete anos depois que o banco não reduziu as anuidades. “Minha fatura mensal chega a R$ 4 mil reais e ainda assim eu teria que gastar cerca de R$ 500 reais só em anuidade com meus dois cartões”, diz. “Hoje tenho um cartão sem taxas, que me dá controle instantâneo dos meus gastos pelo smartphone e me permite resolver qualquer problema pelo aplicativo, sem secretárias eletrônicas”.

Troca John Faustino, que deixou de pagar R$ 500 de anuidade em seus cartões: empresas miram os jovens
TROCA John Faustino, que deixou de pagar R$ 500 de anuidade em seus cartões: empresas miram os jovens

GRANDES BANCOS ENTRAM NO JOGO

Diante desse novo ambiente de negócios, os bancos tradicionais já começaram a criar estratégias para se manterem no jogo. O Banco do Brasil e o Bradesco lançaram o Digio, plataforma que concorre com o Nubank. Adquirir fintechs também é uma possibilidade para os grandes. Segundo a consultoria Accenture, até 2020 as fintechs poderão dominar 35% das receitas dos bancos em alguns países da Europa e da Ásia e também nos Estados Unidos — ou seja, mais de um terço dos serviços financeiros estarão nas mãos das startups. No Brasil, somente em 2016, o Nubank recebeu U$ 134 milhões em aportes, além de uma linha de crédito de U$ 100 milhões do Goldman Sachs. Outras fintechs de destaque, Guiabolso e Creditas, receberam R$ 60 milhões e R$ 15 milhões respectivamente, segundo o FintechLab. “Um banco tradicional tem cerca de 4 mil produtos diferentes, enquanto uma fintech se concentra em poucos deles e faz isso muito bem”, diz Newton Campos, da FGV. “É difícil uma fintech ameaçar um banco inteiro, mas pode ameaçar um nicho específico”.

15

Veja também

+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial

+ Pudim japonês não tem leite condensado; aprenda a fazer

+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"

+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por desconto de até 50% na parcela

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Veja as motos maxtrail mais vendidas em 2020

+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Mulher sobe de salto alto montanha de 4 mil metros

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago