Esportes

Verstappen exalta parceria entre Honda e Red Bull: ‘Estamos perto da Mercedes’

Em seu primeiro ano com o motor da Honda, a Red Bull alcançou resultados expressivos na temporada de 2019 da Fórmula 1 a ponto de empolgar o holandês Max Verstappen. O piloto principal da equipe austríaca está convencido de que, em termos de potência, o motor de seu carro está perto de alcançar o desempenho da Mercedes, hexacampeã do Mundial de Construtores.

+ Mourão, sobre ser vice de Bolsonaro em 2022: ‘Estou trabalhando para isso’

“Estamos muito perto da Mercedes”, disse Verstappen. “(A Honda) Tem trabalhado com perfeição e a melhoria que fizemos nas duas últimas especificações do motor foi grande”.

A parceria entre Honda e Red Bull se mostrou bem-sucedida ao passo que Verstappen alcançou em 2019 suas duas primeiras poles na carreira e venceu na Áustria, Alemanha e no Brasil. O bom desempenho ao longo do ano o fez terminar em terceiro no Mundial de Pilotos, sua melhor colocação desde que começou a pilotar na Fórmula 1.

“O que eu acho muito positivo é que tivemos uma meta ao longo do ano e sempre estivemos no mesmo nível ou acima da meta, o que nunca tinha acontecido antes”, avaliou Verstappen. “A Honda sempre foi muito honesta quanto ao que receberíamos”, completou.

O retorno da Honda à Fórmula 1 com a McLaren em 2015 foi problemático, com a aliança sendo desfeita ao final de 2017, após três anos improdutivos. Insatisfeita com a Renault, a Red Bull resolveu apostar na empresa japonesa depois de ver a Toro Rosso executar as unidades de potência da Honda em 2018.

“A confiabilidade durante todo o ano, nunca abandonamos uma corrida por problema da Honda, então acho isso muito positivo”, afirmou Verstappen, que se recordou das falhas no motor da Renault em 2018 para exaltar o trabalho da Honda. “Perdemos muitos pontos por causa de problemas de confiabilidade no passado, que eram tanto de carro quanto de motor e acho que melhoramos os dois lados”, analisou.

A Toro Rosso também fez uma boa temporada em 2019 com o motor da Honda, de modo que o russo Daniil Kvyat e o francês Pierre Gasly, ex-parceiro de Verstappen, obtiveram pódios neste ano. Gasly se destacou mais, uma vez que teve um desempenho marcante no GP do Brasil, em que terminou em segundo depois de deixar o campeão Lewis Hamilton para trás. Ele fechou o Mundial de Pilotos em sétimo.

Veja também

+ Ford anuncia local e investimento de US$ 700 milhões em fábrica que criará F-150 elétrico

+ RJ: tráfico promete caçar quem gravou equipe do Bravo da Rocinha: ‘Vai morrer’

+ Hubble mostra nova imagem de Júpiter e sua lua Europa

+ Após morte de cachorro, Gabriela Pugliesi adota nova cadela

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Peugeot apresenta sua primeira moto feita em parceria com a Mahindra

+ A Fazenda 12: Jojo Todynho causa e pede óleo ungido a Edir Macedo

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea