Vergonha: Itamaraty adota pauta medieval e contra as mulheres na ONU

Vergonha: Itamaraty adota pauta medieval e contra as mulheres na ONU

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo - AFP

O jornalista Jamil Chade fez um excelente trabalho nas últimas semanas acompanhando as discussões em torno de uma nova resolução sobre direitos das mulheres que ocorreram no Conselho de Direitos Humanos da ONU.

Chade mostrou que o Brasil se aliou a países fundamentalistas islâmicos como Arábia Saudita, Catar, Bahrein e Paquistão, e também a países autoritários como a Rússia, na tentativa de impedir que as expressões “direito à saúde sexual e reprodutiva” e “direito à educação sexual” constassem da resolução que procura proteger meninas e mulheres da violência e da discriminação.

Nesta sexta-feira, enquanto todos os países do Ocidente cerraram fileiras para aprovar o texto, o Brasil se absteve de votar. Isso nada mais foi que uma maneira covarde e hipócrita de continuar defendendo a mesma posição retrógrada.

Depois da sessão na ONU, em um novo arroubo de hipocrisia, o Itamaraty elogiou a nova resolução – apressando-se, no entanto, em observar que ela não deve ser interpretada como “apoio ou incentivo ao aborto”.

Há maneiras mais dignas de fazer oposição ao aborto do que servir de comparsa a países que vão muito mais longe, e também querem impedir mulheres de ter acesso a informação, atendimento médico e apoio judicial em questões ligadas à sexualidade. Essas são pautas medievais, obscurantistas, que o Itamaraty escolheu abraçar.

+ Consulado chinês nos EUA é fechado e provoca nova crise
+ As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

Durante a campanha presidencial, Jair Bolsonaro alardeava que o Brasil não seria mais complacente com ditaduras de esquerda caso ele ganhasse as eleições. Depois de um ano e meio de governo, fica evidente que a sua opção é apenas por um tipo diferente de estupidez.

No Itamaraty de Bolsonaro e do chanceler Ernesto Araújo (que o presidente chamou de “irmão gêmeo” nesta semana), saem Cuba e Venezuela, para que entrem Afeganistão, Líbia e Sudão – outros países que hoje também adotaram a estratégia da abstenção.

Ou melhor: para ficar ao lado de países fundamentalistas que menosprezam as mulheres e fazem a diplomacia da burca, o Brasil deixou  a companhia de todos os países avançados que compõem o Conselho da ONU, dos Estados Unidos à Alemanha, da Holanda ao Japão. É vergonhoso. Não poderia ser pior.

Veja também

+ Lívia Andrade posa de fio dental

+ Google permite ver animais em 3D com realidade aumentada

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.