Economia

Verde anuncia R$275 mi em 3ª unidade de potássio e projeta ampliar oferta ao Brasil

Verde anuncia R$275 mi em 3ª unidade de potássio e projeta ampliar oferta ao Brasil

Visão geral mostra pilhas de resíduos na mina de potássio Belaruskali perto da cidade de Soligorsk


SÃO PAULO (Reuters) – A Verde Agritech anunciou nesta segunda-feira que vai investir 275 milhões de reais para construir, a partir de 2023, a terceira unidade de produção de potássio sem cloro no Brasil, à medida que preços das matéria-primas de fertilizantes estão em alta.

Com a nova fábrica, a companhia terá em 2024 condições de produzir até 16,4% da demanda nacional por potássio, disse a Verde em comunicado nesta segunda-feira.

A empresa já investiu nos últimos anos mais de meio bilhão de reais para produzir o potássio sem cloro em Minas Gerais.

“Espera-se que o capex da Planta 3 seja coberto pelo fluxo de caixa acumulado gerado pelas vendas até o segundo trimestre de 2023, sem necessidade de financiamento de capital ou dívida”, informou a empresa sobre a origem do recurso.

A companhia brasileira anunciou no início do mês novas metas de produção de potássio que indicam que a companhia poderá mais que dobrar os volumes em 2022 ante o ano passado, e depois duplicar novamente a extração em 2023.

O documento publicado nesta segunda-feira não cita o guidance.

A empresa, que fechou 2021 com produção de cerca de 400 mil toneladas, previu anteriormente 1 milhão de toneladas para 2022, alta de 300 mil toneladas ante o guidance do início do ano. Para 2023, seriam 2 milhões de toneladas.

O projeto da Verde contempla outras fases de investimento, podendo chegar a 60% de todo potássio que o Brasil necessita, reforçou a companhia.

Atualmente, mais de 96% do cloreto de potássio (KCL) usado nas lavouras brasileiras vêm do exterior, principalmente Canadá, Rússia e Belarus, mas a guerra na Ucrânia elevou os preços diante das preocupações com a oferta.

“O risco da dependência pelo produto importado e a busca por fontes mais sustentáveis para produção de alimentos têm feito com que agricultores brasileiros busquem alternativas mais seguras e viáveis financeiramente para garantir a produção”, notou o fundador da Verde Agritech, Cristiano Veloso.

O fertilizante da Verde, além de potássio, ainda possui outros nutrientes em sua composição.

Por ser produzido no Brasil, o produto colocado dentro da fazenda custa 10% menos que o KCL, disse a companhia.

Diferentemente do produto importado, o potássio produzido pela companhia em São Gotardo e Matutina, interior de Minas Gerais, é livre de cloro, o que contribui para melhorar a microbiota do solo. Mas também tem uma concentração menor de potássio que o KCL.

Atualmente, mais de um milhão de hectares são adubados pelo produto da Verde Agritech, por mais de 5 mil agricultores.

(Por Roberto Samora)

tagreuters.com2022binary_LYNXNPEI4F0V8-BASEIMAGE