Mundo

Venezuela teve inflação de 2.616% e queda do PIB de 15% em 2017, diz Parlamento

Venezuela teve inflação de 2.616% e queda do PIB de 15% em 2017, diz Parlamento

Homem mostra dinheiro em Caracas em 15 de dezembro de 2017 - AFP/Arquivos

A Venezuela fechou 2017 com uma inflação de 2.616% e uma queda do Produto Interno Bruto (PIB) de 15%, segundo cálculos de uma comissão especializada do Parlamento, de maioria opositora.

“O índice de inflação para dezembro (passado) foi de 85%, com uma inflação acumulada em 2017 de 2.616%”, indicou à imprensa nesta segunda-feira o deputado opositor Rafael Guzmán.

A Venezuela ainda teve “uma queda do PIB de 15% no ano passado”, afirmou o legislador, membro da Comissão de Finanças do Parlamento, que divulga indicadores econômicos – já que o Banco Central não os publica há dois anos.

A indústria petroleira – responsável por 96% da receita do país – produz 1,9 milhão de barris diários, segundo a última cifra oficial divulgada. A redução da produção foi de mais de 400 mil barris diários no ano passado, segundo o Parlamento.

O governo, que não reconhece o Parlamento, culpa o colapso dos preços do petróleo e uma “guerra econômica” de empresários de direita pela grave crise.

+ Menina engasga ao comer máscara dentro de nugget do McDonald’s

Em 2017, Maduro anunciou seis aumentos salariais, o último, em 31 de dezembro, que definiu o salário mínimo integral (salário mais bônus alimentar) em 797.510 bolívares (238 dólares na taxa oficial e seis dólares no mercado negro).

“Não há aumento salarial que possa combater esta situação”, disse Guzmán, observando que a Venezuela é o único país do mundo com hiperinflação.

O deputado José Guerra, presidente do Comitê de Finanças, disse que para interromper a hiperinflação é preciso desmantelar o sistema de controle cambial vigente há 15 anos, no qual o governo monopoliza as moedas.

Diante da falta de dólares, muitos empresários recorrem ao mercado negro para operar seus negócios, disparando os os preços de bens e serviços.

De acordo com Guerra, o Banco Central deve “parar a impressão de dinheiro inorgânico”, e o governo precisa “refinanciar a dívida externa”, estimada em cerca de 150 bilhões de dólares.

“Estamos falando de uma inflação que pode passar de 10.000% se o Banco Central continuar financiando o governo”, afirmou Guerra.

Segundo o FMI, a inflação da Venezuela vai chegar a 2.350% em 2018. O organismo estimou uma queda do PIB de 12% em 2017 e de 6% para o próximo ano.

Veja também

+ Avaliação: Chevrolet S10 2021 evoluiu mais do que parece

+ Jack Daniel’s com maçã começa a ser vendido no Brasil

+ No Twitter, aparecem fotos do navio que transportou nitrato de amônio para Beirute

+ Grosseria de jurados do MasterChef Brasil é alvo de críticas

+ Gésio Amadeu, o Chefe Chico de Chiquititas, morre após contrair Covid-19

+ Funcionário do Burger King é morto por causa de demora em pedido

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Bolsonaro veta indenização a profissionais de saúde incapacitados pela covid-19

+ Nascidos em maio recebem a 4ª parcela do auxílio na quarta-feira (05)

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?