Mundo

Veneza registra 4ª grande inundação em menos de uma semana

VENEZA, 17 NOV (ANSA) – O centro histórico de Veneza registrou neste domingo (17) sua quarta grande inundação em menos de uma semana, agravando um cenário que já levou o governo a declarar estado de emergência na cidade.   

Por volta de 13h15 (horário local), a maré atingiu 150 centímetros acima do nível médio da água, 10 centímetros a menos do que estava previsto. Mesmo abaixo das previsões, a cheia já foi suficiente para alagar 70% do centro histórico.   

A Praça San Marco, região mais movimentada e inundável da cidade, foi interditada pelas autoridades municipais, que também suspenderam o serviço de transporte público por barcos.   

Desde a última terça-feira (12), a cidade já havia registrado três marés superiores a 140 centímetros acima do nível médio da água, fato inédito para uma única semana e um único ano desde 1872, quando os dados começaram a ser compilados.   

A mais grave foi a inundação de terça, que chegou a 187 centímetros e alagou mais de 80% do centro de Veneza. Essa também foi a segunda maior cheia da história, atrás apenas dos 194 centímetros registrados em 4 de novembro de 1966.   

+ Briga de vizinhos termina com personal trainer morta a facadas no interior de SP

O centro histórico se distribui por ilhas situadas na Lagoa de Veneza, que sofre regularmente com a “acqua alta”. Mais comum entre o fim do outono e o início do inverno europeu, esse fenômeno ocorre quando o nível do Mar Adriático sobe e invade as águas da lagoa, inundando a cidade.   

As marés são influenciadas pelo ciclo lunar e por fenômenos meteorológicos, como tempestades e o vento de siroco, uma corrente de ar quente proveniente do deserto do Saara, mas fatores como o aquecimento global e o assoreamento do solo lagunar também contribuem para as enchentes.   

Um projeto iniciado em 2003, o “Mose”, prevê a construção de um complexo e caro sistema de comportas para evitar a “acqua alta”, no entanto as obras caminham a passos lentos devido a escândalos de corrupção e só devem ser concluídas em 2021.   

O governo italiano já declarou emergência em Veneza e aprovou a destinação de 20 milhões de euros para intervenções imediatas. O poder público também pagará indenizações de até 5 mil euros para pessoas físicas e de 20 mil euros para empresas. O prefeito Luigi Brugnaro estima em pelo menos 1 bilhão de euros os danos causados pelas cheias. (ANSA)

Veja também

+ Avó de Michelle Bolsonaro morre após 1 mês internada com covid-19

+ Nazistas ou extraterrestres? Usuário do Google Earth vê grande ‘navio de gelo’ na costa da Antártida

+ Avaliação: Chevrolet S10 2021 evoluiu mais do que parece

+ Grosseria de jurados do MasterChef Brasil é alvo de críticas

+ Carol Nakamura anuncia terceira prótese: ‘Senti falta de seios maiores’

+ Ex-Ken humano, Jéssica Alves exibe visual e web critica: ‘Tá deformada’

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?