Istoé em Tóquio

Vela brasileira chega à reta decisiva em Tóquio com chances de pódio

Alem de Robert Schedit, que tentará nesta madrugada sua sétima medalha olímpica, Martine Grael e Kunze só dependem delas para conquistarem o bi na 49erFx

Vela brasileira chega à reta decisiva em Tóquio com chances de pódio

A Equipe Brasileira de Vela pode conquistar suas primeiras medalhas nos Jogos Olímpicos Tóquio 2020 nos próximos dias. Com dois barcos bem classificados na medal race – Laser e 49erFx – e com possibilidade real na 470 feminina, o time pode manter a tradição histórica de pódio.

+ Revezamento 4x100m medley: Austrália, no feminino, e Estados Unidos, no masculino, batem recordes

+ Wrestling: Aline Silva e Eduard Soghomonyan perdem e são eliminados na luta olímpica

+ Simone Biles desiste de competir na final do solo em Tóquio

As duplas de 470 masculina e Nacra 17 ainda têm chances de entrar para as provas finais. A modalidade medalhou em todas as edições desde a Cidade do México 1968, com exceção em Munique 1972 e Barcelona 1992.

A grande final da Laser com Robert Scheidt será na madrugada deste domingo (1º), às 2h30 e terá transmissão ao vivo e flashs na programação de Sportv, Globo e BandSports. O canal do Youtube Regras.com também fará os comentários com tracking atualizado. A decisão para Martine Grael e Kahena Kunze na 49erFx será na madrugada de segunda-feira (2), também às 02h30.

A vela brasileira soma em Olimpíadas sete ouros, três pratas e oito bronzes, totalizando 18 medalhas olímpicas. Para Tóquio 2020, a equipe foi escolhida pela Confederação Brasileira de Vela com base nos melhores atletas de cada categoria. O time conta com 13 atletas em oito categorias. Apenas Laser Feminino e RS:X masculino não tivemos representantes.

A maior chance nacional segue com as atuais campeãs da 49erFx, Martine Grael e Kahena Kunze. Para a medal race de segunda-feira (2), as brasileiras um ponto atrás das holandesas Annemiek Bekkering Annette Duetz com 71 pontos perdidos. Outras seis duplas seguem com possibilidades de pódio na regata final.

A medal race de todas as categorias tem pontuação dobrada e não há descarte. Na Rio 2016, Martine e Kanhena venceram a regata da medalha e saíram com o inédito ouro para a vela feminina brasileira.

– Martine e Kahena mostram um entrosamento campeão desde a conquista do Mundial da Juventude de 2009, quando venceram a 420 em Búzios (RJ). Os sobrenomes, Sofiatti Grael e Kunze, não pesaram, pelo contrário, e elas mostram na água que nasceram para velejar. A cada ano vêm fazendo história e posso dizer sem ufanismos que hoje no 49erFX são apontadas como uma das favoritas sempre. Como era com Torben Grael na Star e Robert Scheidt na Laser e depois na Star também. A regularidade delas no alto nível é impressionante – disse Murillo Novaes, jornalista, historiador e escritor especializado no mundo náutico.

Na última madrugada de sábado (31), as representantes de 49erFx subiram de posição com bons resultados e só dependem delas para conquistar mais um ouro. No 49er, Marco Grael e Gabriel Borges finalizaram a Olimpíada em 16º lugar.

Veja também
+ Corpo de Gabby Petito é encontrado, diz site; legista afirma que foi homicídio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Instituto Gabriel Medina fecha portas em Maresias
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio