O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) foi alvo da Operação Tempus Veritatis, deflagrada pela Polícia Federal na manhã desta quinta-feira, 8, que apura tentativa de golpe de Estado. Segundo a determinação do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Alexandre de Moraes, Bolsonaro deve entregar o passaporte e não fazer contato com os demais investigados.

+ Bolsonaro é alvo de operação da PF e tem 24 horas para entregar passaporte

+ Lula afirma acreditar que não seria possível tentativa de golpe de Estado sem Bolsonaro

Por meio das redes sociais, o advogado Fabio Wajngarten informou que o ex-presidente “entregará o passaporte às autoridades competentes”. “[Bolsonaro] já determinou que seu auxiliar direto, que foi alvo da mesma decisão, que se encontrava em Mambucaba, retorne para sua casa em Brasília, atendendo a ordem de não manter contato com os demais investigados”, completou.

Outro advogado de Bolsonaro, Paulo Amador, informou que o passaporte ainda será entregue dentro das 24 horas previstas no mandado. O documento estaria em Brasília, e não em Mambucaba com o ex-presidente.

De acordo a PF, a Operação Tempus Veritatis apura uma organização criminosa que atuou na tentativa de golpe de Estado e abolição do Estado Democrático de Direito, para obter vantagem de natureza política com a manutenção de Bolsonaro no poder.

Além do ex-presidente, aliados políticos foram alvos da ação. São eles:

  • General Braga Netto, ex-ministro da Defesa e da Casa Civil;
  • O ex-chefe do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) General Augusto Heleno;
  • Anderson Torres, delegado da PF e ex-ministro da Justiça.
Veja quais aliados de Bolsonaro foram alvos de operação da PF
General Braga Netto (à esquerda), General Augusto Heleno e Anderson Torres (à direita)
  • O ex-ministro da Defesa General Paulo Sérgio Nogueira.
General Paulo Sérgio Nogueira
General Paulo Sérgio Nogueira (Crédito:Divulgação )
  • General Estevam Cals Theóphilo Gaspar de Oliveira, ex-chefe do Comando de Operações Terrestres do Exército.
General Estevam Cals Theóphilo Gaspar de Oliveira
General Estevam Cals Theóphilo Gaspar de Oliveira (Crédito:Divulgação/Exército )
  • Almirante Almir Garnier Santos, ex-comandante-geral da Marinha.
Almirante Almir Garnier Santos
Almirante Almir Garnier Santos (à direita) (Crédito:Reprodução)
  • O presidente nacional do PL, partido de Bolsonaro, Valdemar Costa Neto.
O presidente nacional do Partido Liberal (PL), Valdemar Costa Neto
O presidente nacional do Partido Liberal (PL), Valdemar Costa Neto (Crédito:Valter Campanato/Agência Brasil)
  • Tercio Arnoud Thomaz, ex-assessor de Bolsonaro que ficou conhecido por ser um dos pilares do “gabinete do ódio”.
Tercio Arnoud Thomaz
Tercio Arnoud Thomaz (à direita) (Crédito:Reprodução)

Ailton Barros, coronel reformado do Exército.

Ailton Barros
Ailton Barros (à direita) (Crédito:Reprodução)

Entre os aliados presos estão:

  • Filipe Martins, ex-assessor especial de Bolsonaro.
Veja quais aliados de Bolsonaro foram alvos de operação da PF
Filipe G. Martins (Crédito:Reprodução Instagram)
  • Marcelo Câmara, coronel do Exército e ex-assessor especial de Bolsonaro.
Marcelo Câmara
Marcelo Câmara (Crédito:Reprodução)
  • Coronel do Exército Bernardo Romão Correa Neto.
Bernardo Romão Correa Neto
Bernardo Romão Correa Neto (Crédito:Reprodução)
  • Rafael Martins de Oliveira, major do Exército.

Segundo a PF, “as apurações apontam que o grupo investigado se dividiu em núcleos de atuação para disseminar a ocorrência de fraude nas eleições presidenciais de 2022, antes mesmo da realização do pleito, de modo a viabilizar e legitimar uma intervenção militar, em dinâmica de milícia digital”.

“O primeiro eixo consistiu na construção e propagação da versão de fraude nas Eleições de 2022, por meio da disseminação falaciosa de vulnerabilidades do sistema eletrônico de votação, discurso reiterado pelos investigados desde 2019 e que persistiu mesmo após os resultados do segundo turno do pleito em 2022”, diz a PF em nota.

As investigações da corporação ainda apontam que um segundo eixo de atuação “consistiu na prática de atos para subsidiar a abolição do Estado Democrático de Direito, através de um golpe de Estado, com apoio de militares com conhecimentos e táticas de forças especiais no ambiente politicamente sensível”.