Esportes

Vasco encara o Guarani na Arena da Amazônia de olho no G-4 da Série B


Com objetivos e momentos completamente diferentes, Guarani e Vasco entram em campo nesta quinta-feira, às 21h30, pela oitava rodada da Série B do Campeonato Brasileiro.

O local da partida é inusitado: a Arena da Amazônia, em Manaus, em que, apesar de visitante, o time carioca terá apoio da torcida como se estivesse em São Januário.

Enquanto o rival busca se manter na zona de acesso (G-4), os paulistas querem fugir da zona de rebaixamento (Z-4).


+ Entenda o que é ‘cefaleia refratária’, diagnóstico de Virginia Fonseca
+ Autoescola pode deixar de ser obrigatória para tirar a CNH
+ VW Gol 42 anos: veja a história e quantos estão circulando em SP
+ OVNIs: Pentágono revela mais de 1.500 documentos secretos

A partida será em Manaus porque o gramado do estádio do Guarani, o Brinco de Ouro, em Campinas, passa por reforma. A venda do mando de campo, porém, chegou a ser suspensa pela CBF, que reconsiderou após pedido do próprio Guarani. Dois clubes protestaram formalmente junto À CBF: Bahia e Sport.

Vindo de importante vitória, por 1 a 0, contra o até então líder Bahia, o Vasco chegou a 13 pontos e terminou no G-4. O time é o único invicto na Série B, somando três vitórias e quatro empates. Com sete pontos, o Guarani iniciou a rodada dentro do Z-4, em 17º lugar. Apesar disso, está há quatro jogos invicto, mas com três empates seguidos.

Mesmo com a pressão bem amenizada, o técnico Zé Ricardo e o elenco do Vasco sabem que não podem relaxar. Afinal, o time ainda não encantou os olhos do torcedor, que não pode reclamar de raça e entrega total, principalmente no último jogo. Para o duelo, dois nomes são desfalques certos: o volante Yuri Lara e o meia Nenê, que são titulares, mas estão suspensos pelo terceiro cartão amarelo.

No meio-campo, a tendência é escalar Juninho como titular, que entrou no decorrer da vitória contra o Bahia. No meio, porém, há mais opções. O chileno Palacios pode ganhar chance, mas Zé Ricardo também testou Bruno Nazário nos últimos treinamentos. Gabriel Dias, que estava com dores no joelho, também treinou normalmente e está confirmado.

Zé Ricardo destacou que o time não se acomodou e que busca melhora ofensiva. “Estamos em um processo de evolução e esperamos muito poder evoluir nas próximas partidas e entregar aquilo que o torcedor e nós também queremos. Que é uma partida um pouco mais consistente no setor ofensivo também. A gente sabe que tem muita coisa ainda para evoluir”, admitiu.

O Guarani segue em processo de mudança com a saída do técnico Daniel Paulista. O clube anunciou, nesta manhã de quarta-feira, Marcelo Chamusca como substituto, que estará na Arena da Amazônia, mas não à beira do gramado, pois ainda não foi regularizado.

Assim, o interino Ben-Hur segue no comando do time pela terceira vez e contará com os retornos do lateral-direito Diogo Mateus e do volante Leandro Vilela, que cumpriram suspensão. O zagueiro Derlan deve ser poupado por conta de desgaste e Ernando deve jogar ao lado de Ronaldo Alves. O zagueiro João Victor e os volantes Eduardo Person e Rodrigo Andrade seguem como ausências, todos no departamento médico.

Apesar de lamentar o empate com o Tombense, por 1 a 1, Ben-Hur destacou a evolução e entrega do time. “Todos estão trabalhando para melhorar e infelizmente a bola não entrou. A situação na tabela nos incomoda, mas precisamos seguir da mesma forma porque tenho certeza que vamos achar o caminho da vitória”, projetou.