Mundo

Vacina de Oxford precisará de estudos adicionais,diz AstraZeneca

LONDRES, 26 NOV (ANSA) – A vacina contra o coronavírus Sars-CoV-2 desenvolvida pela Universidade de Oxford precisará de estudos “complementares”, informou nesta quinta-feira (26) a multinacional farmacêutica AstraZeneca, responsável pela produção global do imunizante.   

A afirmação foi dada pelo CEO da empresa, Pascal Soriot, em entrevista à Bloomberg, poucos dias após a publicação dos primeiros resultados dos ensaios clínicos, que indicam uma eficácia entre 62 e 90% dependendo dos tipos de dosagem.   

A análise divulgada na última segunda-feira (23) foi feita com base em duas formas de dosagem, que estão sendo testadas na terceira fase de estudos em humanos.   

O regime com meia dose seguida de uma dose inteira com intervalo de um mês apresentou 90% de eficácia na prevenção da Covid-19.   

Já a administração de duas doses completas com intervalo de um mês mostrou ser 62% eficaz. A análise combinada dos dois regimes apresentou eficácia média de 70%, segundo a AstraZeneca.   


+ Grávida do quinto filho, influenciadora morre aos 36 anos
+ Após assassinar a esposa, marido usou cartão da vítima para fazer compras e viajar com amante

Os resultados, porém, foram posteriormente alvos de pedidos de esclarecimentos e críticas sobre alguns dados pela comunidade científica internacional devido à ausência de transparência.   

Ontem (25), o executivo Menelas Pangalos, vice-presidente da AstraZeneca, reconheceu que houve erro de dosagem na vacina, mas disse que ele é irrelevante para a conclusão dos estudos.   

“Não vou fingir que não é um resultado interessante, porque é, mas definitivamente não o entendo e acho que nenhum de nós entende. Foi surpreendente para nós”, disse Pangalos.   

A vacina de Oxford está sendo testada também no Brasil e é o único imunizante que o governo de Jair Bolsonaro fechou contrato para a aquisição e distribuição.   

O imunizante britânico é o quarto a ter divulgado resultados de eficácia relativos à terceira fase de estudos clínicos e utiliza uma tecnologia mais tradicional, com um adenovírus de macacos inativo levando ao corpo a sequência genética relativa à proteína spike, espécie de casca de espinhos que o Sars-CoV-2 usa para atacar as células humanas.   

Essa vacina pode ser conservada, transportada e manuseada em condições normais de refrigeração (2 a 8ºC) por até seis meses.   

(ANSA)

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel