Mundo

Uruguai exigirá teste de COVID-19 a todos os que entrarem no país

Uruguai exigirá teste de COVID-19 a todos os que entrarem no país

Funcionário de saúde carrega swabs com material coletado de passageiros de um voo da companhia aérea espanhola Iberia para testagem do novo coronavírus no aeroporto internacional de Ciudad de la Costa, departamento de Canelones, perto da capital uruguaia, Montevidéu, 5 de julho de 2020 - AFP

O governo uruguaio exigirá testes de COVID-19 a todas as pessoas que entrarem no país, segundo um decreto oficial publicado nesta segunda-feira (6).

O texto, que atualiza os requisitos para ingresso em território uruguaio durante a pandemia do novo coronavírus, diz que se exigirá “apresentar resultado negativo de teste de detecção do vírus Sars CoV-2” por técnica PCR-RT ou técnicas de diagnóstico aprovadas no futuro pelo Ministério de Saúde Pública (MSP).

Estes exames terão que ser realizados até 72 horas antes da entrada no país “em um laboratório devidamente credenciado e habilitado no país de origem ou trânsito”.

“A continuação da viagem será condicionada a quaisquer destes resultados”, diz o decreto assinado pelo ministro da Saúde Pública, Daniel Salinas.

Em caso de permanência durante mais de sete dias em território uruguaio, o viajante terá que se submeter a novo exame PCR no sétimo dia.

+ Menina engasga ao comer máscara dentro de nugget do McDonald’s

A norma também estabelece a exigência de uma declaração juramentada aos que entrarem sobre a ausência de sintomas do novo coronavírus, assim como sobre a ausência de contato com casos confirmados ou suspeitos nos 14 dias prévios à viagem.

Todos os estrangeiros deverão, ainda, contar com seguro de saúde que garanta sua assistência em caso de contágio.

O Uruguai mantém suas fronteiras fechadas desde março, quando detectou seus primeiros casos de COVID-19.

Embora neste mês o país tenha retomado os voos comerciais com a Espanha, as autoridades lembraram que o turismo não está normalizado.

Atualmente, só podem entrar cidadãos, estrangeiros residentes ou membros de corpos diplomáticos, entre outras exceções, como entradas por razões humanitárias, de reunião familiar ou motivo de trabalho.

O elogiado sucesso uruguaio no controle da pandemia do novo coronavírus – que totaliza até esta segunda-feira apenas 73 casos ativos – tem em suas fronteiras sua principal fragilidade.

Os dois últimos surtos de COVID-19 ocorreram em Rivera e Treinta y Tres, departamentos (estados) fronteiriços com o Brasil, o segundo país do mundo mais castigado pela pandemia depois dos Estados Unidos.

A isto se soma que na sexta-feira, 24 de junho, dois argentinos recém-chegados ao país testaram positivo para a COVID-19, o que obrigou o governo a rastrear os mais de 200 passageiros com os quais eles compartilharam a viagem em barco para que se submetam a exames, e deu ênfase ao risco dos acessos do exterior.

Veja também

+ Funcionário do Burger King é morto por causa de demora em pedido

+ Seu cabelo revela o que você come (e seu nível socioeconômico)

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Bolsonaro veta indenização a profissionais de saúde incapacitados pela covid-19

+ Nascidos em maio recebem a 4ª parcela do auxílio na quarta-feira (05)

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?