O Uruguai venceu o Panamá por 3 a 1 neste domingo (23), na estreia das duas seleções na Copa América, com gols de Maximiliano Araújo, Darwin Núñez e Matías Viña, confirmando a condição de favorito ao título.

No primeiro tempo, Maxi Araújo abriu o placar aos 15 minutos no Hard Rock Stadium, em Miami (Flórida), em belo chute de fora da área.

Já na reta final, Darwin Ñúñez ampliou para os uruguaios pegando sobra dentro da área (85′) e Viña fez o terceiro de cabeça, aproveitando cruzamento de Nicolás de la Cruz (90’+1). O Panamá descontou no apagar das luzes com Michael Murillo batendo colocado no ângulo do goleiro Sergio Rochet (90’+5).

A ‘Celeste’, comandada pelo técnico argentino Marcelo Bielsa, começa sua campanha no Grupo C com o pé direito, empatada em pontos com os Estados Unidos, que mais cedo venceram a Bolívia por 2 a 0.

O Uruguai começou o duelo impondo o ritmo intenso que Bielsa tanto gosta. A pressão alta de seus jogadores neutralizou totalmente o Panamá, que não conseguia dar mais de dois toques na bola.

Com a posse, os uruguaios aproveitaram a boa movimentação de seus laterais, Nahitan Nández e Matías Viña, auxiliados pelos pontas Maximiliano Araújo e Facundo Pellistri.

Esse era o panorama do jogo, com o time panamenho praticamente sem passar do meio de campo, quando Araújo recebeu pela esquerda e experimentou de longe para abrir o placar com um golaço de fora da área.

O Panamá tentava não se render, mas perdeu muitas bolas em seu campo de defesa, dando oportunidades claras aos uruguaios.

O segundo gol da ‘Celeste’ só não saiu na etapa inicial pela falta de precisão de Darwin Núñez. O atacante do Liverpool desperdiçou várias chances claras, entre elas uma finalização à queima-roupa em cima do goleiro panamenho depois de um bom cruzamento de Federico Valverde.

– Darwin Núñez desencanta –

O segundo tempo começou com o Panamá mostrando outra cara. Mais dinâmico, cometendo menos erros atrás e trocando passes com mais velocidade. Por sua vez, o Uruguai não conseguiu manter a pressão alta dos primeiros 45 minutos e deixou mais espaços.

O atacante José Fajardo teve a primeira boa chance panamenha aproveitando uma falha da defesa uruguaia, mas seu chute saiu para fora.

O susto pareceu desestabilizar o time uruguaio, que diminuiu a intensidade na marcação e passou a ficar menos com a bola.

Bielsa trocou Giorgian De Arrascaeta por Nicolás de la Cruz para tentar mudar o cenário da partida. A equipe conseguiu conter a reação do Panamá e garantiu a vitória quando Núñez, que vinha mal até então, desencantou e acertou o alvo batendo de primeira no canto do goleiro Orlando Mosquera.

“Sofremos um pouco, mas com o segundo gol voltamos a melhorar e terminamos jogando bem”, disse o atacante uruguaio, antes de fazer uma autocrítica pelas chances desperdiçadas por ele e seus companheiros ao longo da partida.

“Perdemos muitos gols, muitas jogadas que finalizamos mal. Mas aprendemos com os erros e nunca desistimos. Continuamos tentando”, ressaltou.

Minutos depois, Viña fez o terceiro de cabeça em após cruzamento de De la Cruz pela direita.

O gol de Murillo no final foi um prêmio para o Panamá, que lutou até o fim mesmo com o domínio absoluto do Uruguai no primeiro tempo. O lateral recebeu na área, cortou para o meio e colocou a bola no ângulo de Rochet, sem chances de defesa para o goleiro uruguaio.

gma/ma/cb