Geral

Ursula Leyen pode se tornar a primeira líder da Comissão Europeia

No início de julho, a ministra da Defesa da Alemanha, Ursula von der Leyen, foi a escolhida por líderes europeus para ser a presidente da Comissão Executiva da União Europeia. Na manhã de hoje (16), Ursula apresentou suas propostas na sede do Parlamento Europeu, em Estrasburgo, França. À tarde, ela se submeterá à votação do Plenário do Parlamento. Se alcançar os votos necessários, ela se tornará a primeira mulher no cargo, no lugar de Jean-Claude Junckerr, atual presdiente da Comissão Europeia (EU).

+ Mourão, sobre ser vice de Bolsonaro em 2022: ‘Estou trabalhando para isso’

Ursula von der Leyen necessita de uma maioria absoluta dos votos da câmara, ou seja, deve recolher o “sim” de pelo menos 374 eurodeputados. 

Buscando alcançar os votos necessário, Ursula von der Leyen procurou em seu discurso receber todas as ideias apresentadas pelos deputados, especialmente as propostas relacionadas com a luta em favor do clima, o combate aos regimes autoritários, e também ao protecionismo e a igualdade de gênero, inclusive no Colégio de Comissários da União Euiropeia.

Sobre esta questão, Ursula antecipou que não hesitará em exigir novos nomes (para o colégio),  “caso os Estados-membros não proponham um número suficientes de comissárias”.

Com um elogio à obra dos pais e mães fundadores do projeto da Europa unida, Ursula von der Leyen deixou uma nota de preocupação com o processo do Brexit, manifestando abertura para o alargamento dos prazos de saída do Reino Unido, previsto para 31 de outubro deste ano.

Sublinhando o respeito pela decisão do outro lado da Mancha – “uma decisão séria que lamentamos” – Ursula von der Leyen declarou neste discurso de apresentação do seu projeto aos eurodeputados estar aberta a dilatar os prazos de saída do Reino Unido caso o novo chefe do governo britânico apresente uma razão válida.

A candidata comprometeu-se a tornar o espaço comunitário livre de emissões de carbono até 2050, a finalizar a união monetária e ainda a proteger os cidadãos da UE do próximo choque econômico.

“O nosso desafio mais importante é manter o planeta saudável. É a maior responsabilidade do nosso tempo. Quero que a Europa seja o primeiro continente neutro em carbono em 2050. Para tal, temos de assumir metas mais ambiciosas. O nosso objetivo atual não é suficiente”, afirmou a política alemã, num claro piscar de olhos à bancada dos Verdes, que não esconde a intenção de votar contra a sua candidatura.

Veja também

+ Ford anuncia local e investimento de US$ 700 milhões em fábrica que criará F-150 elétrico

+ RJ: tráfico promete caçar quem gravou equipe do Bravo da Rocinha: ‘Vai morrer’

+ Hubble mostra nova imagem de Júpiter e sua lua Europa

+ Após morte de cachorro, Gabriela Pugliesi adota nova cadela

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea