Saúde da mulher

Urinar durante o sexo pode ser comum; saiba como evitar

Crédito: Freepik

Com exceção de pessoas que têm prazer na urina do parceiro(a), fetiche chamado urofilia, o escape de xixi na relação sexual é considerado constrangedor para a maioria, mas não é incomum de acontecer. Normalmente, essa condição é confundida com o squirting — ejaculação feminina — e pode ser consequência da incontinência urinária de esforço.

+ Fazer xixi no banho pode ser prejudicial à saúde feminina, alerta especialista

+ 8 fetiches sexuais que você nem imagina que existam

“O vazamento urinário, com um assoalho pélvico fraco, pode resultar em escapes. A incontinência urinária de esforço tem mais a ver com a pressão exercida sobre a bexiga e o assoalho pélvico devido à atividade realizada. Isso pode ser algo acontecer ao espirrar, tossir, rir ou, neste caso, ao transar”, diz Amanda Savage, fisioterapeuta do assoalho pélvico, ao “The Sun”.

A ejaculação feminina pode ser um fluido esbranquiçado produzido sozinho ou misturado com a urina, o que pode dificultar a diferenciação com o squirting, explica. “Se você pode detectar um cheiro de urina, infelizmente isso pode ser um sinal de incontinência, já que a ejaculação feminina saudável é praticamente inodora”.

Confira a seguir cinco maneiras para evitar essa situação:

Xixi antes do sexo

Apesar de óbvio, fazer xixi antes do sexo é uma das melhores maneiras para evitar a vontade de urinar durante a relação sexual.

Sexo no chuveiro

Amanda sugere fazer sexo no chuveiro para afastar qualquer preocupação de vazamento, pois o fluxo da água disfarça a urina. No entanto, a prática merece cuidados especiais, como o uso de um tapete antiderrapante no local e a exclusão de produtos oleosos, de modo a evitar acidentes, como uma queda.

Não urine no chuveiro

Recentemente, uma médica declarou que urinar no chuveiro pode resultar em disfunção do assoalho pélvico a longo e curto prazo, pois o corpo associar o barulho da água com a necessidade de fisiológica, ocasionando em escapes.

Fale com seu parceiro(a)

Por último, mas não menos importante, é preciso manter o diálogo com quem se relaciona. “A comunicação com é absolutamente necessária. Ser sincera e honesta sobre o seu distúrbio te ajudará a se sentir mais confortável e tornar a experiência sexual ainda mais agradável. Afinal, sexo não é apenas penetração, é uma sensação sexy, confiante e segura enquanto você desfruta de um pouco de intimidade com um(a) parceiro(a)”, esclarece Amanda.

Procure um especialista

Assim como qualquer outro problema relacionado à saúde, esse também merece a busca de um especialista. Nesse caso, procure por um ginecologista e um fisioterapeuta do assoalho pélvico, pois eles poderão te ajudar a lidar com a situação e até mesmo solucionar essa condição.

Saiba mais
+ Mãe de Medina compara Yasmin Brunet a ‘atriz pornô’ e colunista divulga conversa
+ Chamada de atriz pornô, Yasmin Brunet irá processar mãe de Gabriel Medina
+ Mulher divide marido com mãe e irmã mais nova: ‘Quando não estou no clima’
+ Em pose sexy, Cleo Pires afirma: "Amando essa minha bunda grande"
+ Médicos encontram pedaço de cimento em coração de paciente durante cirurgia
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio