Unidos, Bolsonaro e brasileiros nos transformam em covidário mundial

Unidos, Bolsonaro e brasileiros nos transformam em covidário mundial

Presidente Jair Bolsonaro no Palácio do Planalto


Que o Brasil possui uma vocação nítida para o fracasso, só os tolos ou idiotamente patriotas não reconhecem. Somos a prova viva de que “pau que nasce torto não conserta jamais”. Se o contrário, aguardo argumentos.

Porém, nossa vocação para o fracasso abarca também uma vocação macabra. Por algum motivo, nossa relação com a morte – ou com a vida, tanto faz – está umbilicalmente atrelada ao pouco caso, à indiferença.

Dentre as dez ou quinze maiores economias do mundo, nenhuma despreza tanto a existência humana como o Brasil. Nós nos acostumamos, há décadas, com assassinato, latrocínio e toda sorte de crimes contra a vida.

Pouco nos importa a idade das vítimas ou o grau de crueldade a que foram submetidas. Por aqui, morre-se como moscas e “nem te ligo farinha de trigo”. Enchentes, incêndios em boates, bêbados ao volante, tanto faz.

A pandemia do novo coronavírus tinha tudo para se tornar uma tragédia sem precedentes no País, e se tornou. Uniram-se uma população predominantemente desinteressada pelo próximo e um presidente homicida.


+ Atleta de Jiu Jitsu morre aos 30 anos de Covid 15 dias após perder o pai pela doença
+ Após ameaças, soldada da PM denuncia coronel por assédio sexual
+ Mulher morre após ingerir bebida alcoólica e comer 2 ovos



Juntos, povo e governo produziram um massacre sob a forma 400 mil vítimas fatais por Covid-19, enlutando mais de 2 milhões de sobreviventes até que eles próprios, talvez, se tornem os próximos na fila da morte.

O Brasil conta com exatos 2.7% dos humanos que habitam este planeta. Porém, sozinhos respondemos por quase 13% dos padecidos pelo vírus. Imaginem agora China ou Índia, com suas populações na casa do bilhão.

Ou mesmo os Estados Unidos, Indonésia, Paquistão e Nigéria, apenas para citar os mais populosos. Se estas nações seguissem nosso exemplo macabro, o mundo estaria com mais de 500 milhões de mortos, contra 3 milhões atuais.

Aliás, se o mundo se espelhasse em nós, 1 bilhão de pessoas teriam superlotado os portões do céu e do inferno. Para a sorte do planeta, porém, não existem muitos Bolsonaros espalhados por aí. Nem muitos brasileiros também.

Veja também

+ Canadá anuncia primeira morte de pessoa vacinada com AstraZeneca no país
+ Yasmin Brunet comemora vitória de Gabriel Medina
+ Decifrado código dos Manuscritos do Mar Morto
+ Receita de panqueca americana com chocolate
+ Receita rápida de panqueca de doce de leite
+ Contran prorroga prazo para renovação da CNH
+ Receita de moqueca de peixe simples e deliciosa
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Sucuris gigantes são flagradas em expedições de fotógrafos no MS


Sobre o autor

Ricardo Kertzman é blogueiro, colunista e contestador por natureza. Reza a lenda que, ao nascer, antes mesmo de chorar, reclamou do hospital, brigou com o obstetra e discutiu com a mãe. Seu temperamento impulsivo só não é maior que seu imenso bom coração.


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.