Cultura

Unicef convida crianças a desenhar como se sentem na quarentena durante pandemia


Os adultos têm feito diversas lives nas redes sociais para falar sobre como se sentem em relação à quarentena durante a pandemia do novo coronavírus. Mas como as crianças estão se sentindo com a covid-19?

Meninas e meninos brasileiros foram convidados pelo Unicef a expressarem seus sentimentos na quarentena durante a pandemia do novo coronavírus. A campanha “Sentimentos no Papel”, lançada nesta quarta-feira, 22, incentiva famílias a ouvir as crianças e postar seus desenhos.

Por meio de desenhos, os pequenos contam que sentem falta da escola, mostram que o novo coronavírus as assusta, mas também trazem mensagens de esperança.

“O novo coronavírus mudou a rotina das famílias e das crianças, impactando muito seu cotidiano. Neste momento, é fundamental acolhê-las e criar um ambiente em que elas possam expressar seus sentimentos. A campanha surge com este objetivo: estimular as crianças a contar como estão se sentindo por meio de desenhos”, explica Michael Klaus, chefe de Comunicação e Parcerias do Unicef no Brasil.

Lucas Fontoura, de nove anos, morador de Manaus, Amazonas, colocou no papel os diferentes sentimentos que fazem parte de seu dia a dia agora. “Eu tenho várias emoções. É muito confuso. Num dia eu estou triste porque não posso sair de casa, não posso ver meus amigos. Noutro dia estou feliz porque aprendi uma coisa nova. Depois eu fico triste de novo porque penso que pode morrer alguém próximo de mim”, explica o menino.


+ Mãe conta à polícia que ateou fogo e matou bebê por ‘vergonha’ de ter a gravidez descoberta
+ Após ameaças, soldada da PM denuncia coronel por assédio sexual
+ Youtuber é perseguido por jacaré de três metros: veja vídeo



“Eu sinto saudade de abraçar e beijar minha vó, meu vô, minha mãe”, conta Alessandra Albuquerque, 11 anos, de Fortaleza, no Ceará. “Eu desenhei a minha família brincando de massinha e corações porque eu tô gostando. A gente tá dentro de casa porque não pode sair”, diz Sofia Baldinato, cinco anos, de Carapicuíba, na Grande São Paulo.

Para participar da campanha, pais, mães e responsáveis devem abrir esse espaço de diálogo com seus filhos e filhas, organizando um ambiente acolhedor, em que a criança possa desenhar e falar sobre como se sente. Em seguida, os adultos podem usar o stories do Instagram, postando a foto do desenho, uma fala da criança ou um vídeo dela explicando o desenho, acompanhado da hashtag #sentimentosnopapel e marcando o perfil do Unicef Brasil.

As imagens serão selecionadas e parte delas será divulgada nas redes sociais do Unicef no Brasil, contribuindo para dar visibilidade aos sentimentos de cada criança, em tempos de coronavírus.

Veja também

+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tenha também a Istoé no Google Notícias
+ Canadá anuncia primeira morte de pessoa vacinada com AstraZeneca no país
+ Yasmin Brunet comemora vitória de Gabriel Medina
+ Decifrado código dos Manuscritos do Mar Morto
+ Receita de panqueca americana com chocolate
+ Receita rápida de panqueca de doce de leite
+ Contran prorroga prazo para renovação da CNH
+ Receita de moqueca de peixe simples e deliciosa
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Sucuris gigantes são flagradas em expedições de fotógrafos no MS