Edição nº2603 14/11 Ver edições anteriores

Entrevista

Peter Sever

Uma revolução contra o colesterol

Uma revolução contra o colesterol

Por Fabíola Perez, de Roma
Edição 16/09/2016 - nº 2441

Um dos maiores especialistas do mundo no combate às doenças do coração, o médico inglês Peter Sever foi o porta-voz, durante o Congresso Europeu de Cardiologia, realizado em Roma, na Itália, de uma notícia revolucionária. Sever, que é professor de Farmacologia Clínica e Terapêutica do Imperial College of London, expôs em detalhes o impacto que uma nova classe de remédios pode provocar no combate ao colesterol. As medicações Repatha e Praluent, já disponíveis no Brasil, reduzem os níveis de LDL, o chamado colesterol ruim, em até 70%. “Conseguimos uma mudança jamais vista antes”, afirmou Server à ISTOÉ, durante um dos breves intervalos entre as sessões do evento. Na entrevista a seguir, o professor falou também de outros avanços da medicina.

O que representa a chegada dessa nova classe de remédios contra o colesterol?

Vivemos uma revolução no tratamento do colesterol. Tivemos avanços com o uso das estatinas (drogas usadas até agora), mas nada tem se mostrado tão eficiente quanto essas medicações. O colesterol ruim pode ser reduzido em cerca de 70%. As estatinas conseguem uma redução de 40%.

Como se chega a esse resultado?

Os remédios atuam sobre uma proteína específica associada ao acúmulo de LDL. Por isso, são precisos e chegam diretamente no alvo.

Qual o impacto futuro que essas drogas terão no combate às doenças cardiovasculares?

Prevemos que haverá uma grande redução no número de infarto. Assim que isso for comprovado, os órgãos regulatórios de todo o mundo poderão contar com as evidências para decidir sobre a extensão das indicações das drogas e das políticas públicas de acesso a elas.

No momento, são indicadas a quem?

A grupos de pessoas com altos índices de colesterol e risco cardiovascular, pacientes com predisposição genética ao acúmulo de LDL e aqueles intolerantes às estatinas.

As estatinas deixaram de ser eficientes?

Não. Mas muitas pessoas reclamam de seus efeitos colaterais. Queixam-se de dores musculares, insônia e disfunções sexuais ligadas ao uso destes medicamentos. Os testes clínicos com essa nova classe de medicamentos mostram ótimos resultados na redução do LDL sem causar estes efeitos colaterais, representando uma opção para os pacientes.

Um dos problemas em relação a novos remédios, especialmente os biológicos, é seu alto custo, o que impede o acesso da maioria das pessoas a eles. O mesmo deverá acontecer com essa nova categoria?

Alguns países podem não ter dinheiro para fazer a distribuição a uma parcela maior da população. Mas sabemos que existem três companhias que vão competir nesse mercado e, com isso, a tendência é que os preços diminuam.

“Os países pobres registrarão um aumento no número de infartos. As nações desenvolvidas assistirão a uma redução no total de eventos deste tipo”
“Os países pobres registrarão um aumento no número de infartos. As nações desenvolvidas assistirão a uma redução no total de eventos deste tipo” (Crédito:foto: Lalo de Almeida/Folhapress)

Todos sabem o que é preciso fazer para controlar o colesterol. Dieta saudável e exercício físico. Por que os índices de pessoas com alto colesterol ainda são tão expressivos?

A informação não é insuficiente, a educação é que está errada. As pessoas, muitas vezes, apenas se recusam a seguir o que é orientado. O fator mais importante para prevenção é a educação, não apenas entre os médicos, mas do público em geral. As pessoas sabem que cigarro faz mal para a saúde, estão cientes de que consumir muito álcool pode ser prejudicial para o fígado e sabem que gordura e colesterol são ruins para o coração. Mas, normalmente, não prestam atenção nos fatores de risco, e isso é muito ruim.

O nível da adesão dos pacientes aos tratamentos é muito diferente em países desenvolvidos e nos emergentes?

Há mais aderência aos tratamentos nos Estados Unidos. Mas, em geral, muitas pessoas acabam ignorando suas condições de saúde. A maior parte das populações não segue as recomendações passadas pelos médicos, inclusive no Reino Unido. Na América do Sul ocorre o mesmo. Mas o trabalho deve ser conjunto. Os governos têm a responsabilidade de educar a sociedade acerca dos fatores de risco, como se proteger. A comunidade médica deveria participar mais de congressos, por exemplo, para se atualizar e se preparar melhor. Seria um caminho muito efetivo.

Há muita dificuldade de controle em relação aos outros fatores de risco, como o sedentarismo e a hipertensão. Pelos mesmos motivos?

Vamos pensar em todos os outros fatores de risco além do colesterol: tabagismo, pressão alta, sedentarismo e diabetes. Quanto ao tabagismo, realmente não é fácil fazer as pessoas pararem de fumar. Para hipertensão, temos medicamentos capazes de controlá-la, mas quantos pacientes de fato são capazes de reduzir a pressão sanguínea efetivamente? Na maioria dos países, esse número varia de 25% a 50%. É muito difícil convencer as pessoas a mudarem seu estilo de vida.

Qual a responsabilidade dos médicos nessa tarefa?

Os médicos não têm tempo para instruir bem os pacientes. A média de uma consulta no Reino Unido é de quatro a seis minutos. Eles perguntam apenas nome, idade e o problema principal. O ideal seria que todos os pacientes passassem por uma triagem primária antes das consultas, com espaço para conversar com enfermeiros sobre seu estilo de vida, dieta, rotina de exercícios, uso de medicamentos, tratamentos em curso etc. Informações que seriam adicionadas nas fichas de cada paciente, servindo de base para o médico conduzir a consulta. Mas, infelizmente, 99% dos médicos não têm este tipo de abordagem.

E o papel das autoridades públicas?

No Reino Unido, existem campanhas educativas para prevenção realizadas pelo Departamento Nacional de Saúde Pública. Acredito que esta é a direção certa. O grande problema é que muitos governos sofrem forte pressão da indústria alimentícia, assim como da tabagista, para que seus produtos continuem a vender muito. Há um claro conflito de interesses. E as pessoas sofrem as consequências disso.

Levantamentos epidemiológicos alertam sobre o aumento no número de crianças com colesterol alto, obesas e hipertensas. Como é possível reverter isso para que não se crie uma nova geração de pacientes de alto risco?

A obesidade é um dos maiores problemas envolvendo crianças. Nos últimos cinco ou seis anos, o número de jovens obesos aumentou significativamente e, agora, vemos crianças de doze, treze anos desenvolvendo a diabetes tipo 2. A doença, intimamente ligada à obesidade, só era diagnosticada em adultos anos atrás. Esse problema se deve exclusivamente à combinação de maus hábitos alimentares e falta da prática de exercícios físicos. É claro que há a exceção dos pacientes que sofrem de doenças genéticas. Para estes casos, existe a possibilidade de tratamentos precoces com medicação.

Muitos especialistas defendem a proibição da propaganda de produtos infantis com alto teor de gordura e açúcar. O senhor concorda com isso?

Sim. Os governos têm muita responsabilidade nisso. Nos Estados Unidos e no Reino Unido, as autoridades tentaram implementar uma taxação extra para produtos ricos em açúcar, mas é muito difícil colocar isso em prática. As empresas da indústria alimentícia faturam bilhões de dólares com a venda desses produtos. Mas, no Reino Unido, por exemplo, tivemos avanços como a proibição de propagandas de alguns produtos específicos na tevê antes das 21 horas, para evitar que as crianças sejam influenciadas. Pensando no futuro, a educação alimentar do jovens deveria ser algo muito mais difundido.

O que ainda falta ser descoberto sobre o coração?

Não conhecemos todas as doenças cardíacas, mas acredito que chegamos a um nível muito avançado. Se olharmos o conjunto de pessoas que foram acometidas por doenças cardiovasculares, em 95% dos casos podemos explicar a condição analisando os fatores colesterol, tabagismo, pressão arterial, diabetes e prática de exercícios. Excluindo esses pontos, não há muito com o que se preocupar.

“Muitos governos sofrem pressão da indústria tabagista e as pessoas sofrem as consequências”
“Muitos governos sofrem pressão da indústria tabagista e as pessoas sofrem as consequências” (Crédito:FOTO: Joel Silva/Folhapress)

Tratamentos cada vez mais personalizados têm sido usados contra o câncer. Este será o caminho para as doenças do coração?

Há uma diferença entre os tratamentos contra câncer e colesterol. O progresso nos tratamentos personalizados do câncer está no estudo da célula tumoral e o desenvolvimento de anticorpos contra aquele tipo específico de tumor, combatendo a doença de maneira mais eficaz. Para as doenças cardiovasculares, não são necessários tratamentos tão personalizados.

Por que doenças cardiovasculares em mulheres têm sido negligenciadas em todo o mundo?

Porque até os 55 anos o risco de ataques cardíacos em mulheres é substancialmente menor do que em homens. Ao longo do tempo, principalmente depois da menopausa, a diferença diminui, mas é uma preocupação que surge mais tarde. No entanto, as mulheres estão hoje muito mais sujeitas ao estresse, acumulando funções no mercado de trabalho e dentro de casa. Esse é um ponto a ser considerado, já que o estresse é um dos fatores de risco para infarto. Os médicos devem deixar de ignorar os sinais de doença cardíaca em mulheres jovens.

Qual a sua perspectiva sobre a evolução das doenças cardíacas em todo o mundo?

A perspectiva é diferente de acordo com o país. No Reino Unido, os ataques do coração diminuíram 50% nos últimos dez anos. Esta é uma redução fantástica. Isso se deve parcialmente a mudanças de hábitos e ao uso de medicamentos. O acesso aos tratamentos tem aumentado. Nos países subdesenvolvidos, porém, a alimentação de má qualidade ainda é um sério fator de risco. Para os próximos anos, acredito que viveremos um contraste. Os países pobres registrarão uma situação mais dramática, com um aumento constante em níveis de colesterol e doenças do coração. Por outro lado, as nações desenvolvidas, como Alemanha e Reino Unido entre outros, assistirão a uma redução no número de pessoas que sofrem infarto.



 

(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});



Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.