Uma estratégia chinesa

Crédito: José Manuel Diogo

(Crédito: José Manuel Diogo)


O setor da construção civil nunca paralisou durante a pandemia e, embora a crise do coronavírus tenha devastado a economia, a construção seguiu aquecida e as empresas do setor apontam a um ano cheio de lançamentos e abundante receita.

A atividade imobiliária se mostrou imune a lock downs e auxílios emergenciais e; enquanto outras atividades estagnavam esperando a vacina, novos prédios continuavam crescendo nos centros das cidades de todo o mundo.

Aqui no Brasil, segundo uma pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI) — relativa a novembro 2020 — a utilização da capacidade operacional no setor atingiu 63% no período, o maior nível desde dezembro de 2014.

Mas há um problema: o desaparecimento das matérias primas. Mundialmente os stocks ficaram sem reposição porque as indústrias que abastecem a construção de ferro, aço, madeira, vidro e alumínio pararam de laborar, sté que no fim da pandemia as empresas descobrem seus armazéns vazios.

Mineração, indústria pesada e indústria transformadora se mostram incapazes atender os prazos — que continuaram contando — porque nem arquitetos, nem empreiteiros precisaram pendurar a pá ou o ponteiro.

Para contrariar este “inesperado” cenário, mas em linha com o que tinha já acontecido no início da pandemia com máscaras, testes e ventiladores, a economia mundial sofre — de novo — com a estratégia preferida da China: o açambarcamento.

Por causa disso a economia internacional parece entrar – de novo — em um super ciclo inflacionista. Um ciclo semelhante a esses que aconteceram na história recente. O primeiro há 100 com o surgimento da hegemonia Norte-americana; depois nos anos 50 do séc. XX, no após segunda Guerra Mundial; o terceiro no início dos anos 70, com o choque petrolífero; e por último no final da primeira década deste milénio com o surgimento da China como potência económica global.

Como a pandemia funciona estimula a economia exatamente como uma guerra, o aumento generalizado do preço das commodities nem surpreende. Isso acontece sempre que existe uma crise global.

A verdadeira novidade — que agora faz subir o preço do metro quadrado das casas em todo o mundo — é que, pela primeira vez, a história repete um novo “culpado” — a China — no mais curto ciclo de sempre – 10 anos.

Mesmo que os números da macroeconomia ainda não o mostrem, a tradicional força do setor da construção na recuperação das crises, vai mostrar que China já é a maior potência global. Em tempo de paz não ganha o mais forte, sim o mais flexível.

Veja também
+Deolane Bezerra, viúva de MC Kevin, revela que fez cirurgia na vagina
+ Vídeos mostram pessoas preparando saladas com Cheetos no TikTok
+ Mulher e filho de Schumacher falam sobre saúde do ex-piloto
+ Carvão “gourmet” que não suja as mãos vira meme nas rede sociais; ouça
+ Mãe encontra filho de 2 anos morto com bilhete ao lado ao chegar em casa
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago


Sobre o autor

José Manuel Diogo é autor, colunista, empreendedor e key note speaker; especialista internacional em media intelligence,  gestão de informações, comunicação estratégica e lobby. Diretor do Global Media Group e membro do Observatório Político Português e da Câmara de Comércio e Indústria Luso Brasileira. Colunista regular na imprensa portuguesa há mais de 15 anos, mantém coluna no Jornal de Notícias e no Diário de Coimbra. É ainda autor do blog espumadosdias.com. Pai de dois filhos, vive sempre com um pé em cada lado do oceano Atlântico, entre São Paulo e Lisboa, Luanda, Londres e Amsterdã.


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.