Um silêncio nada inocente

Como respostas aos gritos das ruas e da história do Brasil e do mundo, diante da resiliência danosa do racismo estrutural, ambientes sociais, com destaque para a Justiça, lentamente tem construído ações objetivas que fortalecem a máxima de que: não basta não ser racista, é preciso ser antirracista.

Com esse tema, no Conselho Nacional de Justiça, Dias Toffoli criou um grupo de trabalho para construir propostas de combate ao racismo no sistema de Justiça. O Procurador Geral, Augusto Aras, o CNMP e CNJ, incluíram no Observatório Nacional da Justiça, a busca pela Igualdade e pelo fim da Discriminação Racial, como um pilar das políticas do judiciário. O Ministro Herman Benjamin, do STJ, instituiu cotas para professores negros no mestrado da Escola Nacional da Magistratura e Luiz Fux, Presidente do STF, anunciou a criação do Observatório dos Direitos Humanos, no CNJ. No executivo municipal, o prefeito paulista, Bruno Covas, cancelou a aplicação do mata – leão, como prática de ação na guarda civil municipal, e vai nomear 12 Centros de Educação com nomes de personalidades negras.

Mesmo o fugidio ambiente empresarial começa a se render ao novo normal. A Cyirela Comercial Properties, por exemplo, promove a qualificação em diversidade racial para seu corpo de segurança e investe no empreendedorismo de jovens negros; o Grupo Pão de Açúcar instituiu o termo de conduta para combate à discriminação racial com suas empresas de segurança; a Petrobras incluiu no manual de conduta dos fornecedores o respeito à diversidade racial; a empresa americana Google criou um fundo de cinco milhões para inclusão de negros na tecnologia; a Ambev criou um programa de contratação de 80 jovens negros, com observadores independentes negros; já o Magazine Luiza, por sua vez, implementou um programa de trainee exclusivo para negros; e a empresa de telefonia Vivo reservou trinta por cento de vagas para negros no seu democrático programa de trainee. Diferentemente do mundo político que se mantêm quase indiferente a esse mutirão da cidadania racial.

No caso do partilhamento das verbas de campanhas entre mulheres brancas e negras, não pestanejou. Pôs-se em silêncio. Nenhum partido ou grande personalidade política se pronunciou ou se comprometeu a aplicar com entusiasmo a decisão justa e republicana do TSE, e, depois, a liminar do STF, determinando sua aplicação imediata. Mesmo sendo algo limitado, simbólica e historicamente trata-se de grande progresso. Valoriza a voz das ruas e cumpre o propósito civilizatório de corrigir a distopia política que opõem negros e brancos e confronta os fundamentos da igualdade e da participação democrática. Ou não será esse o propósito da política e dos políticos? O que esse silêncio nada inocente terá para nos dizer?

Para combater o racismo estrutural não basta se afirmar como não racista, é preciso ser antirracista


+ Grávida do quinto filho, influenciadora morre aos 36 anos
+ Após assassinar a esposa, marido usou cartão da vítima para fazer compras e viajar com amante

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Boletim médico de apresentador da RedeTV! indica novo sangramento no cérebro
+ Yamaha se despede da SR 400 após 43 anos de produção
+ Cientista desvenda mistério do monstro do Lago Ness. Descubra!
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.