Um país de analfabetos financeiros

Em um país com tantos analfabetos funcionais, o analfabetismo financeiro não surpreende. Segundo o exame PISA realizado em 15 países, com estudantes de 15 anos, os brasileiros são os mais ignorantes em finanças. Até os peruanos estão à nossa frente. Os chineses lideram a pesquisa. Será coincidência que a renda per capita deles era apenas 6% da brasileira em 1980 e hoje é maior que a nossa?

O estudo confirma que bons alunos em leitura, matemática e ciências sabem mais sobre finanças. Países com renda per capita mais alta, melhor distribuição de renda ou um percentual maior da população com conta em bancos apresentam melhores resultados em finanças. O que chama a atenção é que os estudantes brasileiros sabem ainda menos de finanças do que estes indicadores sugeririam. Há um problema específico no ensino de finanças aqui.

Ignorância financeira não é exclusividade dos jovens. Uma pesquisa do Sebrae aponta que 77% dos empreendedores autônomos que faturam até R$ 81.000 por ano nunca fizeram um curso ou treinamento de finanças; 48% não fazem previsão de gastos, 50% ainda usam o caderno para anotar gastos, 39% não registram todas as receitas e 34% acompanham o saldo de caixa no máximo uma vez ao mês.

No Brasil, cultura cigana e química orgânica fazem parte do currículo escolar obrigatório; finanças básicas, não. Juros e porcentagem são grego para a maioria dos brasileiros.

À luz da ignorância financeira, é fácil compreender como tanta gente assume dívidas impagáveis, comprometendo seu futuro financeiro. A maioria ignora o efeito brutal dos juros compostos. Por exemplo, considerando-se juros de 400% a.a. — próximos aos praticados no cheque especial ou no cartão de crédito — uma divida de R$ 3.000 contraída para a compra de uma televisão em maio de 2015, se transformaria em R$ 15.000 um ano depois, em R$ 75.000 em dois anos, ou em R$ 375.000 hoje. Quem comprou essa TV há três anos, deve hoje um apartamento. Sabendo disso, será que tanta gente teria assumido dívidas?

+ Exclusivo: como Prost fez Senna perder o contrato com a Ferrari

Nossos políticos exploram esta ignorância financeira, levando as contas públicas ao caos em benefício próprio. Urge colocar educação financeira no currículo escolar obrigatório. As empresas têm de investir para que seus funcionários tenham melhores conhecimentos de finanças, o que é bom para suas vidas pessoais e para as próprias empresas. Individualmente, cada um precisa buscar fontes de educação financeira para si próprio, e para seus filhos.

Nossos políticos exploram nossa ignorância financeira, levando as contas públicas ao caos em benefício próprio

Veja também

+ Marco Pigossi sobre reprise da novela Fina Estampa: “Tinha que ser proibida de ser reprisada”

+ Avó de Michelle Bolsonaro morre após 1 mês internada com covid-19

+ Nazistas ou extraterrestres? Usuário do Google Earth vê grande ‘navio de gelo’ na costa da Antártida

+ Avaliação: Chevrolet S10 2021 evoluiu mais do que parece

+ Grosseria de jurados do MasterChef Brasil é alvo de críticas

+ Carol Nakamura anuncia terceira prótese: ‘Senti falta de seios maiores’

+ Ex-Ken humano, Jéssica Alves exibe visual e web critica: ‘Tá deformada’

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

Tópicos

Ricardo Amorim

Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.