Brasil

Um ano após 1º caso de Covid, Brasil tem quase 253 mil mortes


SÃO PAULO, 26 FEV (ANSA) – Há exatamente um ano foi confirmado o primeiro caso de Covid-19 no Brasil: um homem recém chegado da Itália que testou positivo para a doença em São Paulo. Desde então, o país foi duramente afetado pela pandemia do novo coronavírus e chega nesta sexta-feira (26) com quase 253 mil mortes e mais de 10 milhões de casos.   

Segundo dados do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), o Brasil registrou mais 1.337 óbitos e 65.169 contágios nas últimas 24 horas, elevando os totais de vítimas para 252.835 e de contaminações para 10.455.630.   

Ontem (25), foram registrados 65.998 novas infecções e 1.541 mortes pela doença no país, o segundo dia mais letal desde o início da pandemia.   

O elevado número de vítimas coloca o Brasil atrás apenas dos Estados Unidos (509.734) no ranking de países com mais óbitos decorrentes da Covid-19, de acordo com a Universidade Johns Hopkins. Já em relação aos dados de infectados, o país sul-americano fica na terceira posição, atrás de EUA (28.461.935) e Índia (11.063.491).   

O índice de letalidade da doença no Brasil está mantido em 2,4%, mas o de mortalidade continua crescendo, atingindo 120,3 a cada 100 mil habitantes.   


+ Homem que vivia ‘casado’ com a própria filha é preso após polícia investigar agressão contra criança
+ Família de Schumacher coloca mansão à venda por R$ 400 milhões
+ Pão de Queijo: faça uma das receitas mais gostosas do Brasil



A taxa de incidência, por sua vez, aumentou para 4.975,4 cidadãos por cada 100 mil brasileiros.   

Hoje, o diretor-executivo de emergências da Organização Mundial da Saúde (OMS), Mike Ryan, chamou a pandemia no Brasil de tragédia e lamentou que o território esteja enfrentando uma nova onda de casos e mortes. “Infelizmente, é uma tragédia que o Brasil esteja enfrentando isso de novo e é difícil. Esta deve ser a quarta onda que o país volta a enfrentar”, disse.   

Segundo Ryan, o aumente nos dados no Brasil serve de lição para o mundo e comprova que a pandemia não acabou. “Não acabou para ninguém e qualquer relaxamento é perigoso”.   

A declaração é dada no mesmo dia em que o presidente Jair Bolsonaro fez duras críticas aos estados que estão impondo medidas mais restritivas para evitar a propagação do vírus Sars-CoV-2.   

“Esses que fecham tudo e destroem empregos estão na contramão daquilo que seu povo quer. Não me critiquem, vão para o meio do povo mesmo depois das eleições”, disse Bolsonaro à uma aglomeração na cidade de Tinguá (CE). (ANSA)

Veja também

+ Receita de bolinho de costela com cachaça
+ Cientistas descobrem nova camada no interior da Terra
+ Receita de panqueca americana com chocolate
+ Receita rápida de panqueca de doce de leite
+ Contran prorroga prazo para renovação da CNH
+ Receita de moqueca de peixe simples e deliciosa
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Sucuris gigantes são flagradas em expedições de fotógrafos no MS