Mundo

Uigures pedem firmeza a comissária da ONU em sua visita a Xinjiang

Uigures pedem firmeza a comissária da ONU em sua visita a Xinjiang

(Arquivo) A alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet - AFP

Os uigures pediram firmeza nesta terça-feira à alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, no começo de sua visita à região chinesa de Xinjiang, onde a minoria muçulmana denuncia que é vítima de perseguição.

Com a viagem de seis dias, a chilena se torna a primeira responsável da área de direitos humanos da ONU a visitar a China desde 2005. Pequim acredita que a visita irá servir para esclarecer “a desinformação” sobre o país.


Em reunião com Michelle nesta segunda-feira em Guangzhou, o ministro das Relações Exteriores chinês, Wang Yi, “expressou esperança em que a visita ajude a fortalecer a compreensão e cooperação e a esclarecer a desinformação”, segundo nota divulgada pela pasta.

O texto não faz referência à região de Xinjiang. A líder da ONU desloca-se nesta terça-feira para essa região, onde visitará as cidades de Urumqi e Khashgar.

Michelle Bachelet teve encontros virtuais nesta segunda-feira com os chefes de quase 70 embaixadas na China, segundo fontes diplomáticas, que afirmaram que a alta comissária deu garantias de seu acesso a centros de detenção e defensores das liberdades.

A China é acusada de prender 1 milhão de uigures e outros membros de minorias muçulmanas em campos na região de Xinjiang (noroeste), o que os que Estados Unidos e outros países qualificam como “genocídio”.

Pequim rejeita o termo, que considera a “mentira do século”, e alega que suas políticas permitiram combater o extremismo e melhorar a vida da população na região.

O porta-voz do ministério chinês das Relações Exteriores, Wang Wenbin, deu boas-vindas a Bachelet e afirmou que as partes decidiram que não deve haver repórteres durante suas reuniões e viagens pelo país.

Bachelet pretende se reunir com autoridades chinesas e “manter amplas conversas com pessoas de diversos setores”, acrescentou Wang, sem revelar detalhes. A viagem de seis dias inclui visitas às cidades de Urumqi e Kashgar, em Xinjiang, assim como à localidade de Guangzhou (sul).

Desde 2018, as autoridades da ONU estavam em negociações com o governo chinês para assegurar um “acesso ilimitado e relevante” a Xinjiang, antes do anúncio da viagem em março. Ativistas, no entanto, temem que Bachelet tenha uma visita controlada que evite os temas cruciais.

– Sem acesso –

A esperança de uma investigação profunda sobre os abusos dos direitos humanos foi frustrada pela preocupação dos ativistas de que o Partido Comunista da China usará a visita para acobertar supostas atrocidades.

Com centenas de milhares de detidos e várias mesquitas fechadas ou destruídas, as autoridades de Xinjiang parecem ter modificado o foco nos últimos anos, voltando-se ao desenvolvimento econômico, segundo acadêmicos e uigures que moram fora da China.

“Agora não há muita evidência visível de repressão”, afirmou Peter Irwin, do Projeto de Direitos Humanos Uigures.

Grupos de direitos humanos alertaram que a vigilância estatal e o medo de represálias impedirão que os uigures da região conversem de maneira livre com a equipe da ONU.

“Temos o receio de que a visita seja manipulada pelo governo chinês para acobertar os graves abusos em Xinjiang”, disse Maya Wang, pesquisadora sobre a China da organização Human Rights Watch.

Muitos ativistas questionaram o fato de a ex-presidente chilena, que foi torturada durante a ditadura de Augusto Pinochet, não ter se pronunciado de maneira mais firme sobre Xinjiang.

O governo dos Estados Unidos expressou na sexta-feira preocupação com o “contínuo silêncio (de Bachelet) diante da evidência indiscutível de atrocidades em Xinjiang”. Sua recusa a criticar pode refletir a grande influência de Pequim na ONU, segundo Irwin.

Centenas de uigures no exterior pediram nas últimas semanas a Bachelet que visite seus parentes detidos.

A imprensa estatal ativou a máquina de propaganda. A agência de notícias Xinhua elogiou nessa segunda-feira os “progressos notáveis” do país em termos de direitos humanos. Em artigo, a agência negou qualquer trabalho forçado e alega que as pessoas de Xinjiang escolhem livremente partir para outras regiões da China em busca de oportunidades de trabalho e melhores salários.