Comportamento

Ucraniano membro de grupo de hackers é condenado a 10 anos de prisão nos EUA

Ucraniano membro de grupo de hackers é condenado a 10 anos de prisão nos EUA

Um ucraniano foi condenado a 10 anos de prisão nos EUA por participar de um grupo de hackers que comprometeu milhões de contas financeiras no país - AFP/Arquivos


Um cidadão ucraniano foi condenado a 10 anos de prisão nos Estados Unidos por sua participação em um grupo de hackers que comprometeu milhões de contas financeiras no país, anunciou o Departamento de Justiça nesta sexta-feira (16).

Fedir Hladyr, de 35 anos, trabalhava como gerente e administrador de sistemas para um grupo de hackers conhecido como FIN7, disseram as autoridades.

Hladyr é um dos três ucranianos presos em meados de 2018 por hackear mais de 100 empresas americanas e roubar milhões de números de cartões de crédito e débito, de acordo com o Departamento de Justiça norte-americano.

“O acusado e seus conspiradores comprometeram milhões de contas financeiras e causaram perdas de mais de um bilhão de dólares para os americanos e custos para a economia”, afirmou em nota o procurador-geral interino Nicholas McQuaid.

Hladyr foi preso na Alemanha e depois extraditado para Seattle, nos Estados Unidos, onde confessou ser culpado em 2019 de conspirar para cometer crimes cibernéticos e fraude eletrônica.

“Esta organização criminosa tinha mais de 70 pessoas organizadas em unidades de negócios e equipes de negócios”, disse a procuradora Tessa Gorman no comunicado.


+ Mãe conta à polícia que ateou fogo e matou bebê por ‘vergonha’ de ter a gravidez descoberta
+ Após ameaças, soldada da PM denuncia coronel por assédio sexual
+ Youtuber é perseguido por jacaré de três metros: veja vídeo



“O acusado trabalhou na interseção de todas essas atividades e, portanto, tem grande responsabilidade por milhões em danos causados a empresas e consumidores individuais”, acrescentou.

O Departamento de Justiça afirmou que o “prolífico grupo de hackers” também teve como alvo redes de computadores no Reino Unido, Austrália e França.

Só nos Estados Unidos, eles roubaram “mais de 20 milhões de registros de cartões de clientes de mais de 6.500 terminais de pontos de venda em mais de 3.600 locais comerciais separados”, segundo os procuradores.

Veja também

+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tenha também a Istoé no Google Notícias
+ Canadá anuncia primeira morte de pessoa vacinada com AstraZeneca no país
+ Yasmin Brunet comemora vitória de Gabriel Medina
+ Decifrado código dos Manuscritos do Mar Morto
+ Receita de panqueca americana com chocolate
+ Receita rápida de panqueca de doce de leite
+ Contran prorroga prazo para renovação da CNH
+ Receita de moqueca de peixe simples e deliciosa
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Sucuris gigantes são flagradas em expedições de fotógrafos no MS