Esportes

Tyson Fury supera Deontay Wilder após ‘nocautear’ depressão, drogas e o álcool

A reconquista do título mundial ao vencer o norte-americano Deontay Wilder, na noite de sábado, em Las Vegas, nos Estados Unidos, é apenas um dos capítulos de superação do britânico Tyson Fury. Há três anos, o novo campeão dos pesos pesados, versão Conselho Mundial de Boxe (CMB), tentou o suicídio movido por um período de depressão, que também o fez abusar das drogas e da bebida. Chegou a ultrapassar os 200 quilos de peso.

“Nada vai fazer eu abandonar meus objetivos. Eu voltei e sou o melhor do mundo”, afirmou o pugilista, nascido em Manchester e casado com Paris, mãe de seus quatro filhos.

Carismático, Fury possui contratos com vários produtos e fechou um acordo de cinco lutas com a ESPN por US$ 100 milhões (R$ 439 milhões). Este contrato foi assinado antes da vitória sensacional sobre Wilder, o que deve fazer com que as cifras sejam alteradas.

Suas entradas no ringue antes das lutas são uma atração, o que garantem audiência e público. O MGM registrou a maior bilheteria da história dos eventos esportivos em Nevada, com mais de US$ 16 milhões (R$ 70,3 milhões) arrecadados. O pay per view, segundo os organizadores, deve atingir 2 milhões de assinaturas, com o valor de US$ 80 (R$ 351) cada.

O nome Tyson foi uma homenagem de seu pai, John, ao lendário campeão mundial, após o filho sobreviver a um nascimento prematuro.

Veja também

+ Toyota Corolla Cross é SUV do Corolla para brigar com Jeep Compass e cia; confira imagens oficias
+ Robert De Niro reduz limite do cartão da ex-mulher e diz que coronavírus implodiu suas finanças
+ Dancinha de Miley Cyrus com namorado no TikTok viraliza e ganha versões brasileiras
+ Kawazaki suspende suas vendas na França
+ MasterChef estreia sem "supercampeão" e cheio de mudanças
+ Gafanhotos: cidade na Bahia enfrenta invasão de insetos
+ Coronel da PM diz que Bolsonaro é ‘falastrão’ e renuncia à entidade de Oficiais
+ A “primavera das bikes” pós-pandemia vai chegar ao Brasil?
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior