Mundo

Turquia anuncia cúpula sobre Síria com França, Alemanha e Reino Unido

Turquia anuncia cúpula sobre Síria com França, Alemanha e Reino Unido

O porta-voz presidencial da Turquia, İbrahim Kalın, durante uma entrevista à AFP - AFP

Com a participação de Turquia, França, Alemanha e Reino Unido, será realizada uma cúpula sobre a Síria, em paralelo a uma reunião da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), que acontece em 3 e 4 de dezembro, perto de Londres.

A informação foi divulgada nesta sexta-feira (8) pelo porta-voz da Presidência turca Ibrahim Kalin, depois de um encontro preparatório, em Istambul, com as delegações francesa, alemã e britânica.

“Concordou-se em celebrar uma cúpula quadripartite à margem da reunião da Otan”, disse Kalin, citado pela agência estatal de notícias Anadolu.

A cúpula deve reunir Recep Tayyip Erdogan (Turquia), Emmanuel Macron (França), Angela Merkel (Alemanha) e Boris Johnson (Reino Unido) e terá como agenda as crescentes tensões entre Turquia e Europa.

O bloco criticou duramente a ofensiva de Ancara lançada em 9 de outubro passado no norte da Síria contra os curdos. Erdogan rebateu as críticas, acusando os países europeus de “se colocarem ao lado dos terroristas” por não apoiarem a operação turca.

Os países ocidentais acusam Ancara de enfraquecer a luta contra o grupo extremista Estado Islâmico (EI), ao atacar a milícia curda Unidades de Proteção Popular (YPG). Este grupo foi um aliado-chave da comunidade internacional no combate ao “califado”.

Segundo Ancara, a ofensiva turca no nordeste da Síria, que foi suspensa após dois acordos fechados com Washington e com Moscou, busca estabelecer uma zona de segurança ao longo de sua fronteira. Com isso, Erdogan espera impedir a emergência de um embrião de Estado curdo em sua fronteira, suscetível de avivar as reivindicações desta minoria étnica na Turquia.

Nesta operação, o Exército turco, apoiado por grupos sírios, recuperou o controle de uma faixa de território de 120 quilômetros de extensão e de cerca de 30 quilômetros de profundidade de Tal Abyad a Ras al-Ain.

Desde o ano passado, o presidente turco tem ameaçado repetidamente lançar um ataque ao leste do rio Eufrates contra as milícias curdas sírias das YPG.

Erdogan não pretende recuar, porém, até que as YPGs se retirem dessa zona fronteiriça e enquanto houver países estrangeiros presentes nesta região.

“Compartilhamos uma fronteira de 911 quilômetros com a Síria. Nem Rússia, nem Estados Unidos, nem Irã têm fronteira com a Síria”, afirmou ele, em entrevista ao jornal “Hurriyet”, referindo-se aos três países que mobilizaram forças militares na Síria.

Desde seu início, em 2011, a guerra na Síria já deixou mais de 370 mil mortos.