Economia

Turismo no País tem prejuízo de R$ 65,6 bi durante pandemia, diz FecomercioSP


Desde o início da pandemia da covid-19 até fevereiro deste ano, o turismo no Brasil acumulou prejuízo de R$ 65,6 bilhões, aponta levantamento realizado pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP). Segundo a entidade, o resultado é 38,1% menor do que o do mesmo período entre março de 2019 e fevereiro de 2020. Em meio à crise, o setor perdeu mais de um terço do seu tamanho.

A pesquisa aponta que as piores perdas do ciclo ocorreram no segundo trimestre de 2020, quando o turismo nacional chegou a encolher pela metade. Dali em diante, apesar de seguir fechando no vermelho, as quedas tiveram patamares menores do que esses. A queda de 29,1% no faturamento de fevereiro último (R$ 9,35 bilhões) fez com que o setor completasse um ano inteiro contabilizando resultados negativos a cada mês.

A principal área impactada é o setor aéreo, que perdeu 59,6% do seu faturamento. Só em fevereiro, a queda foi de 49,6%, ou seja, a metade do que o setor faturou em fevereiro de 2020, às vésperas da crise. Com uma queda na oferta de assentos, a tendência é que os prejuízos do setor aéreo sigam sendo contabilizados nos próximos meses.

Depois das companhias aéreas, os serviços de alimentação e alojamento, como hotéis e pousadas, registraram a maior queda no faturamento desde o começo da crise do covid-19, com prejuízo de 41,1%. Em seguida, a concentração do acúmulo de perdas refere-se às atividades culturais, recreativas e esportivas, que viram o faturamento cair 32,1% no período.

Perse


+ Mãe conta à polícia que ateou fogo e matou bebê por ‘vergonha’ de ter a gravidez descoberta
+ Após ameaças, soldada da PM denuncia coronel por assédio sexual
+ Youtuber é perseguido por jacaré de três metros: veja vídeo



Depois de ser aprovado, no Congresso, o projeto de lei que cria o Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos (Perse), a medida depende apenas da sanção do Executivo para entrar em vigor. A nova regra será essencial para os agentes do turismo nacional, apesar das modificações que o texto sofreu no processo.

O texto em via de aprovação prevê o parcelamento de débitos das empresas dos setores do turismo e de eventos com a Receita, com descontos nos pagamentos e o estabelecimento de alíquota zero para tributos como PIS/Pasep. Uma vez no Perse, as empresas serão enquadradas no Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), em que poderão obter crédito com juros de 6% ao ano mais a taxa Selic, por exemplo.

Veja também

+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tenha também a Istoé no Google Notícias
+ Canadá anuncia primeira morte de pessoa vacinada com AstraZeneca no país
+ Yasmin Brunet comemora vitória de Gabriel Medina
+ Decifrado código dos Manuscritos do Mar Morto
+ Receita de panqueca americana com chocolate
+ Receita rápida de panqueca de doce de leite
+ Contran prorroga prazo para renovação da CNH
+ Receita de moqueca de peixe simples e deliciosa
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Sucuris gigantes são flagradas em expedições de fotógrafos no MS