Tecnologia & Meio ambiente

Tufão mais violento a atingir Japão em 25 anos deixa nove mortos

Tufão mais violento a atingir Japão em 25 anos deixa nove mortos

Um caminhão atingido pelo tufão Jebi na ponte Seto Ohashi em Sakade, em 4 de setembro de 2018 - JIJI PRESS/AFP

O tufão mais potente a atingir o Japão nos últimos 25 anos deixou nove mortos e mais de 340 feridos nesta terça-feira, com ventos muito violentos e chuvas torrenciais na região oeste do país.

O tufão Jebi é o 20º da temporada na Ásia e afetou o Japão com tempestades e rajadas de ventos que alcançaram 220 km/h em alguns pontos.

Segundo o canal estatal de televisão NHK, o tufão matou nove pessoas.

A região de Osaka foi a mais afetada, com numerosos prédios danificados, postes derrubados, árvores arrancadas e telhados destruídos, como na estação de Kyoto.

Segundo a agência de notícias Jiji, cinco mortes ocorreram na região de Osaka.

O aeroporto de Kansai, situado em uma ilha artificial, ficou inundado e foi fechado com cerca de 3 mil passageiros e centenas de funcionários em seu interior.

Na manhã desta quarta-feira, vários ferris transportavam o pessoal do aeroporto de Kansai para o aeroporto de Kobe, situado mais a oeste.

As empresas aéreas, que suspenderam cerca de 800 voos na terça-feira, voltaram a anular 160 nesta quarta, segundo a NHK.

Já o tráfego ferroviário voltava ao normal.

As autoridades pediram a vários moradores que abandonassem suas casas em áreas inundadas ou que poderiam ser atingidas pelo fenômeno. Recomendaram a quase 1,2 milhão de habitantes que procurassem abrigos e 16.000 receberam ordem de saída, mas a medida não foi obrigatória.

Apesar do número reduzido de vítimas até o momento, o tufão provocou danos materiais consideráveis.

Um petroleiro ficou retido sob uma ponte que leva ao aeroporto internacional de Kansai, perto de Osaka (oeste).

Imagens de televisão mostraram andaimes destruídos pelo vento, árvores no chão, vitrines de lojas quebradas, postes tombados, ruas inundadas, caminhões virados e o mar agitado em todas as direções.

As grandes lojas de departamento da região de Osaka decidiram fechar suas portas.

Várias grandes empresas do país, incluindo Toyota, Honda e Panasonic, suspenderam a produção, enquanto outras pediram aos funcionários que ficassem em casa. As escolas também suspenderam as aulas nesta terça-feira.

Mais de 1,4 milhão de residências e edifícios ficaram sem energia elétrica, de acordo com a imprensa.

Com ventos de entre 160 e 190 km/h na parte central (além de rajadas de até 220 km/h), Jebi entra na categoria “muito potente”, “o mais potente desde 1993”, afirmou à AFP Ryuta Kurora, diretor da agência nacional meteorológica.

O Japão foi afetado duas vezes por tufões muito fortess, em 1991 e em 1993.