ISTOÉ Gente

‘Tudo mentirinha’, diz Fábio Porchat após polêmica em filme de Danilo Gentili

Crédito: Divulgação

Fabio Porchat em longa de Danilo Gentili (Crédito: Divulgação)


Após a polêmica sobre pedofilia no filme de Danilo Gentili, Fábio Porchat se pronunciou sobre a trama. O humorista interpreta um homem que assedia sexualmente dois garotos menores de idade no longa de 2017 “Como Se Tornar o Pior Aluno da Escola”, disponível na Netflix. As informações são da Quem.

BBB22: ‘Não me deu bom dia’, diz Lucas sobre Pedro Scooby após formação de paredão

Pocah tranquiliza fãs após ser hospitalizada com fortes dores: ‘Estou bem’

“Vamos lá: como funciona um filme de ficção? Alguém escreve um roteiro e pessoas são contratadas para atuarem nesse filme. Geralmente o filme tem o mocinho e o vilão. O vilão é um personagem mau. Que faz coisas horríveis. O vilão pode ser um nazista, um racista, um pedófilo, um agressor, pode matar e torturar pessoas… O Marlon Brando interpretou o papel de um mafioso italiano que mandava assassinar pessoas. A Renata Sorah roubou uma criança da maternidade e empurrava pessoas da escada. A Regiane Alves maltratava idosos. Mas era tudo mentira, tá gente? Essas pessoas na vida real não são assim”, começou.

“Temas super pesados são retratados o tempo todo no audiovisual. E às vezes ganham prêmios! Jackie Earle Haley concorreu ao Oscar em 2007 interpretando um pedófilo no excelente filme Pecados Íntimos. Só que quando o vilão faz coisas horríveis no filme, isso não é apologia ou incentivo àquilo que ele pratica, isso é o mundo perverso daquele personagem sendo revelado. Às vezes, é duro de assistir, verdade. Quanto mais bárbaro o ato, mais repugnante. Agora, imagina se por conta disso não pudéssemos mais mostrar nas telas cenas fortes como tráfico de drogas e assassinatos? Não teríamos o excepcional Cidade de Deus? Ou tráfico de crianças em Central do Brasil? Ou a hipocrisia humana em O Auto da Compadecida. Mas ainda bem que é ficção, né? Tudo mentirinha”, finalizou o comediante.

O público que viu o filme não perdoou nas redes sociais. “Nojo! Nojo de quem escreveu, nojo de quem produziu, nojo de quem dirigiu, nojo de quem atuou! Como pactuar com algo assim? Pedofilia! Abuso sexual! Abuso de autoridade! Que perverso. Que triste”, declarou Daniela Beyruti, filha de Silvio Santos e diretora de arte do SBT.