Brasil

TSE foi alertado para problemas de TI e falta de testes em totalização de votos

Crédito: Antonio Cruz/ Agência Brasil

Relatórios internos do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) mostram que o órgão foi alertado para entraves em seu sistema de tecnologia da informação e até para a falta de testes no sistema de totalização dos votos que provocou atraso no primeiro turno das eleições. As informações são da Folha.

Segundo a reportagem, uma auditoria da Secretaria de Controle Interno do tribunal listou em maio dez problemas no desenvolvimento e manutenção de softwares da Justiça Eleitoral, que já se vinham desde 2016.

Entre os problemas apontados estão a entrega da versão de software sem tempo hábil para testes, poucos interessados no desenvolvimento do sistema, falta de funcionários especializados e dificuldades em encontrar dados e informações.

Também foi sugerido ao TSE por uma comissão constituída para analisar o processo eletrônico da votação que realizasse testes no sistema de totalização de votos. Sugestão que não foi acatada pelo tribunal. Essa recomendação foi feita inicialmente nos testes realizados em 2016 e reiterada na edição 2017/2018.

Após os atrasos ocorridos no primeiro turno das eleições, técnicos do TSE passaram essa semana testando o sistema e se preparando para o segundo turno, que acontece no domingo (29), sem ocorrências de novos problemas.


+ Advogada é morta e tem corpo carbonizado no Rio de Janeiro
+ Morre Liliane Amorim, influencer de Juazeiro do Norte, após complicações da realização de lipoaspiração

O atraso aconteceu depois que o tribunal decidiu centralizar a contagem em Brasília, que antes eram feitas nos Tribunais Regionais Eleitorais (TREs).

No relatório final produzido pela comissão avaliadora do TPS (Teste Público de Segurança), de 2019, foi frisado que o tribunal não atendeu à recomendação de que os testes deveriam abranger os sistemas de totalização, operado por tecnologia da empresa Oracle, e biometria.

Em resposta à comissão, o TSE alegou que a sugestão não poderia ser aplicada “haja vista que o sistema RecBU (Sistema Recebedor de Boletim de Urna) estava sendo reescrito para as eleições de 2020 e que só estaria disponível para o TPS 2021”.

Os sistemas de totalização e RecBU funcionam em paralelo a partir das 17h do dia da eleição, recebendo boletins da urna e totalizando-os.

Após o primeiro turno, o presidente do TSE, ministro Luís Roberto Barroso, disse que a demora na entrega dos equipamentos por parte da empresa Oracle impediu a realização de testes prévios. O TSE levou 18 meses para assinar o contrato com a empresa.

Além disso, também houve uma tentativa de ataques hacker simultâneos na rede do tribunal e o aplicativo e-título, lançado com o objetivo de facilitar a vida do eleitor, registrou falhas de acesso.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Atriz e modelo sul-coreana Song Yoo-jung morre aos 26 anos
+ Pais matam as 2 filhas para provar que elas voltariam a vida
+ Cientista desvenda mistério do monstro do Lago Ness. Descubra! + Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel