Mundo

Trump pede o fim do confinamento por coronavírus nos EUA

Trump pede o fim do confinamento por coronavírus nos EUA

Presidente dos EUA Donald Trump conversa com jornalista da Fox News em entrevista virtual no dia 24 de março de 2020 - AFP

O presidente Donald Trump anunciou nesta terça-feira que deseja aliviar o isolamento causado pelo novo coronavírus nos Estados Unidos e reativar a economia em três semanas, embora o governador de Nova York tenha avisado que a crise atingirá seu pico nesse período.

+ Mourão, sobre ser vice de Bolsonaro em 2022: ‘Estou trabalhando para isso’

“Muitas pessoas concordam comigo. Nosso país não foi projetado para fechar”, disse ele à Fox News. “Pode destruir um país dessa maneira, fechando-o”, assegurou o presidente

“Eu adoraria ter o país aberto e realmente quero que seja para a Páscoa”, disse Trump nesta entrevista em um formato de programa de bate-papo. A Páscoa será em 12 de abril.

Medidas de distanciamento social e quarentena foram instituídas em grande parte dos Estados Unidos, levando a uma queda acentuada da atividade na maior economia do mundo.

A campanha presidencial para as eleições de novembro foi outra vítima significativa da quarentena, já que vários comícios foram cancelados.

Especialistas em saúde apontaram que as medidas de isolamento e paralisação são a única maneira de impedir que a doença facilmente transmissível e com risco de vida se multiplique incontrolavelmente

Trump pediu um período de observação de 15 dias que termina no início da próxima semana. Mas o presidente garantiu na terça-feira que as medidas foram exageradas.

“Perdemos milhares e milhares de pessoas por ano devido à gripe. Não fechamos o país” por causa disso, declarou.

“Perdemos muito mais do que isso em acidentes de carro. Não ligamos para os fabricantes de automóveis para dizer ‘Pare de fabricar'”, afirmou.

Horas depois, Trump parecia voltar atrás em seu objetivo de abrir o país na Páscoa, em uma entrevista coletiva com Anthony Fauci, o renomado especialista em doenças infecciosas que assessora o governo.

“Só o faremos se for positivo”, disse Trump, esclarecendo que a reabertura pode se limitar a uma “parte” do país, por exemplo, a algumas áreas rurais ou áreas do Texas e oeste dos Estados Unidos, onde a densidade populacional é alta. frequentemente baixo.

– Em busca de um plano de estímulo –

O colapso da atividade e os alertas de uma recessão ou mesmo de uma depressão são um revés brutal para uma economia que estava bem até a crise, com a menor taxa de desemprego já registrada.

Líderes legislativos disseram nesta terça-feira que estão chegando à aprovação de um pacote de estímulo econômico de quase 2 trilhões dólares para empresas, hospitais e americanos comuns afetados pelo isolamento.

Republicanos e democratas estão negociando o texto há dias, mas as notícias de que um acordo está próximo ajudou elevar as ações em Wall Street, que fechou com uma alta de 11,37%, o maior índice desde 1933.

Esta seria a maior injeção de dinheiro na economia, superando em muito o resgate de 2008, quando a crise financeira global atingiu os Estados Unidos.

– “Trem bala” –

Mais de 700 pessoas morreram devido ao coronavírus nos Estados Unidos, que registraram quase 54.000 casos confirmados, de acordo com a contagem da Universidade Johns Hopkins, usada como referência no país, nos Estados Unidos.

Os Estados Unidos são o país com mais casos no mundo, atrás da China e da Itália. Em contraste com o otimismo de Trump, o governador de Nova York, Andrew Cuomo, alertou na terça-feira que o número de novos casos no estado está dobrando a cada três dias e atingindo “números astronômicos”. O estado já tem mais de 25 mil diagnósticos positivos, incluindo quase 15 mil na cidade de Nova York, o epicentro da pandemia no país.

Cuomo estimou que Nova York chegará ao ápice da crise em 14 a 21 dias, tornando imperativo obter mais leitos hospitalares, máscaras, respiradores e equipe médica o mais rápido possível.

Atualmente, o estado tem apenas 10 mil respiradores e precisa de mais 30 mil, disse Cuomo, desesperado, pedindo ajuda ao governo federal. Nova York tem 53 mil leitos hospitalares, mas precisa de 140 mil.

– Quem vem primeiro, economia ou saúde? –

Com sua campanha eleitoral suspensa, Trump está buscando uma saída da calamidade do novo coronavírus que permitirá que ele seja reeleito em novembro.

Um de seu maior orgulho, antes do surto do vírus, era a força da economia. “Não podemos perder a Boeing. Não podemos perder algumas dessas empresas”, disse Trump no programa da Fox na Casa Branca.

“Se perdermos essas empresas, estamos falando de centenas de milhares de empregos, milhões de empregos”, destacou.

No entanto, sua insistência em um rápido renascimento da economia acarreta o risco de que alguns acreditem que ele prioriza a riqueza em detrimento da sobrevivência dos doentes, principalmente os idosos, os mais vulneráveis.

O vice-governador do Texas, Dan Patrick, concorda com Trump. Segundo ele, que completará 70 anos em uma semana, os adultos dessa idade ou mais poderão cuidar de si mesmos.

“Não sacrifique o país”, clamou. “Minha mãe não é descartável”, disse Cuomo, que se tornou líder nacional em tempos de crise por suas entrevistas coletivas diárias.

Apesar das críticas à sua administração da pandemia, Trump continua a ter números fortes nas pesquisas. No último levantamento, feito pelo instituto de pesquisas de Monmouth, 50% das pessoas consultadas aprovaram o tratamento da crise, contra 45% que não aprovaram.

Veja também

+ Ford anuncia local e investimento de US$ 700 milhões em fábrica que criará F-150 elétrico

+ RJ: tráfico promete caçar quem gravou equipe do Bravo da Rocinha: ‘Vai morrer’

+ Hubble mostra nova imagem de Júpiter e sua lua Europa

+ Após morte de cachorro, Gabriela Pugliesi adota nova cadela

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea